Meteorologia

  • 15 JULHO 2024
Tempo
21º
MIN 18º MÁX 26º

Caso EDP. Perícia neurológica a Salgado marcada para 28 de setembro

A perícia neurológica ao ex-presidente do Banco Espírito Santo (BES), Ricardo Salgado, foi agendada pelo Instituto Nacional de Medicina Legal (INML) para 28 de setembro, na sequência da decisão do tribunal no âmbito do processo EDP.

Caso EDP. Perícia neurológica a Salgado marcada para 28 de setembro
Notícias ao Minuto

17:12 - 19/09/23 por Lusa

País INML

Fonte ligada ao processo confirmou à Lusa a marcação do procedimento ao ex-banqueiro para 28 de setembro, que tinha sido pedido devido ao diagnóstico de doença de Alzheimer que lhe foi atribuído e que tinha sido invocado em vários processos.

A defesa do ex-banqueiro já tinha exigido uma perícia neurológica a Ricardo Salgado, mas só o tribunal cível de Cascais é que tinha autorizado em março a sua realização, embora a mesma não se tivesse ainda concretizado. Na última semana, a juíza Ana Paula Rosa, do Juízo Central Criminal de Lisboa, acedeu ao pedido dos advogados do antigo presidente do BES e validou a realização da perícia ao abrigo do Caso EDP.

"Por se afigurar relevante para a boa decisão da causa, determina-se a realização de uma perícia colegial da especialidade do foro neurológico ao arguido Ricardo Salgado (...), a realizar pelo Instituto de Medicina Legal", pode ler-se no despacho de 12 de setembro da magistrada, que deixou ainda expresso o pedido ao INML para marcação da perícia "com a máxima urgência".

A defesa de Ricardo Salgado tinha igualmente solicitado que o julgamento apenas se iniciasse após a realização da perícia neurológica, mas o tribunal rejeitou a pretensão dos advogados Francisco Proença de Carvalho e Adriano Squilacce "por se entender que a perícia não se afigura absolutamente indispensável ao início da audiência de julgamento", que ficou agendada para 03 de outubro.

Contactada pela Lusa, a defesa do antigo presidente do Banco Espírito Santo (BES) não quis fazer comentários.

Ricardo Salgado vai a julgamento no Caso EDP por um crime de corrupção ativa para ato ilícito, um crime de corrupção ativa e outro de branqueamento de capitais.

No processo são ainda arguidos o ex-ministro da Economia Manuel Pinho, acusado de um crime de corrupção passiva para ato ilícito, outro de corrupção passiva, um crime de branqueamento de capitais e um crime de fraude fiscal, bem como a mulher do antigo governante, Alexandra Pinho, a quem é imputado um crime de branqueamento e outro de fraude fiscal.

Leia Também: Caso EDP. Juíza autoriza perícia neurológica a Ricardo Salgado

Recomendados para si

;
Campo obrigatório