Meteorologia

  • 10 DEZEMBRO 2023
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 19º

Maioria de autores de mortes de crianças condenados a 25 anos de prisão

Os crimes que resultaram na morte de crianças às mãos de familiares, nos últimos anos, têm em comum a violência que levou ao final trágico, com a maioria dos acusados condenados à pena máxima de prisão, 25 anos.

Maioria de autores de mortes de crianças condenados a 25 anos de prisão
Notícias ao Minuto

17:42 - 01/08/23 por Lusa

País Prisão

Há cerca de duas décadas, em setembro de 2004, o caso de Joana abalou a localidade de Figueira, no concelho de Portimão, distrito de Faro, quando foi dada como desaparecida, com apenas 08 anos.

Em novembro do ano seguinte, a mãe, Leonor Cipriano, e o tio da menina foram condenados a 20 anos e quatro meses e a 19 anos e dois meses de prisão, respetivamente.

O Tribunal de Portimão deu como provado que Joana tinha sido "brutalmente agredida pela mãe e pelo tio", depois de ter voltado a casa com compras, que tinha ido a fazer a pedido de Leonor Cipriano.

Os dois arguidos viriam a confessar o homicídio da criança, tendo o tio materno revelado que, depois de matarem a menina, terão esquartejado o corpo e dado os restos mortais a comer aos porcos.

Depois de ter cumprido cinco sextos da pena, entretanto reduzida para 18 anos, em fevereiro de 2019, Leonor Cipriano voltou a garantir que confessou o crime porque estava a ser agredida por inspetores da Polícia Judiciária (PJ), agressões que foram dadas como provadas, embora os seus autores não tenham sido identificados.

O corpo de Joana nunca foi encontrado.

Em setembro de 2005, Daniel, de 06 anos, surdo-mudo e amblíope, foi encontrado morto em casa, em Caxias, no distrito de Lisboa, onde a mãe vivia com o padrasto da criança que foi condenado um ano depois a 12 anos de prisão, por abuso sexual de crianças continuado e agravado.

A mãe do menor, que estava acusada de maus-tratos e negligência, foi absolvida por o tribunal não ter dado como provado que soubesse dos abusos infligidos a Daniel pelo companheiro, Fábio Cardoso.

Uma década depois, em 2014, Emanuel Mário foi condenado também à pena máxima no sistema penal português, 25 anos, por matar a filha Leonor, de apenas quatro meses, ao torturá-la, mergulhando-a em água a ferver.

O homem acabou por morrer em 2018, depois de contrair uma infeção na prisão da Carregueira onde se encontrava a cumprir pena.

A mãe da criança, Cláudia Silva, bombeira de profissão e que terá feito manobras de reanimação à filha depois de nove horas de agonia e sem qualquer assistência da sua parte, foi condenada a 18 anos de prisão.

Em 08 de abril de 2015, João Barata matou o filho Henrique de apenas cinco meses com uma facada no coração. Um ano mais tarde, em maio, foi condenado a 25 anos de prisão.

João Barata matou o filho em retaliação contra a ex-companheira, que queria pôr fim à relação, após descobrir que continuava a consumir álcool.

"Ficou provado que o arguido cravou a faca na zona do tórax do corpo do bebé. Ficou provado que rodou os bicos do fogão antes de sair de casa e tinha intenção inequívoca de deitar gás. Quis vingar-se da mãe da criança por ter dito que queria acabar a relação e queria pô-lo fora de casa", afirmou a juíza presidente do coletivo durante a leitura da sentença.

O acórdão indicava ainda que "os relatórios não refletem que o arguido padecesse de qualquer anomalia psíquica", reconhecendo-lhe, ao invés, uma "personalidade imatura, egocêntrica, com traços depressivos e compulsivos".

Já em fevereiro de 2019, outro pai matou a filha com apenas dois anos e meio, no Seixal. Lara morreu asfixiada no carro do pai, poucas horas depois de Pedro Henriques ter degolado a avó materna da menina.

No entanto, o homem nunca chegou a ser condenado pela justiça, já que suicidou-se após ter fugido para o centro do país onde os pais moravam.

Foi divulgado na altura, que a menina morreu estrangulada e que o corpo foi atirado para a bagageira do carro.

Em maio de 2020, o desaparecimento de Valentina, de 09 anos, em Atouguia da Baleia, Peniche, alertou a polícia e a população.

No entanto, a menina afinal não tinha desaparecido e nas buscas realizadas pelas autoridades foi encontrado o corpo numa zona florestal na serra d'El Rei e detidos os suspeitos pelo crime e ocultação do cadáver: pai e madrasta.

O pai e a madrasta de Valentina foram condenados em abril de 2021 pelo Tribunal de Leiria a 25 anos e a 18 anos e nove meses de prisão, respetivamente, pela prática de vários crimes, entre os quais homicídio qualificado.

Segundo o relatório da autópsia citado pelo Ministério Público, a morte de Valentina "foi devido a contusão cerebral com hemorragia subaracnóidea".

Na acusação era referido que o casal deixou Valentina "a agonizar", na presença de outros menores, "indiferentes ao sofrimento intenso" da criança, não havendo dúvidas de que a madrasta colaborou na atuação do pai sem promover o socorro à menor ou impedindo as agressões.

Em março deste ano, Lara, de 07 anos, foi morta à facada pelo avô de 69 anos, em Vialonga, concelho de Vila Franca de Xira, que tentou suicidar-se depois de cometer o crime.

Hoje, os quatro principais arguidos - a mãe, a suposta ama, o marido e a filha destes - no caso de homicídio de Jéssica, uma menina de 03 anos em junho de 2022, em Setúbal, foram condenados a 25 anos de prisão pelo Tribunal de Setúbal.

O caso remonta a junho de 2022, quando Jéssica morreu devido aos maus-tratos que lhe foram infligidos durante os vários dias em que esteve ao cuidado da suposta ama.

Leia Também: Caso Jéssica. Juiz do Tribunal de Setúbal aponta celeridade do julgamento

Todas as Notícias. Ao Minuto.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Recomendados para si

;
Campo obrigatório