Meteorologia

  • 20 MAIO 2024
Tempo
14º
MIN 13º MÁX 21º

Diocese de Coimbra recebeu sete nomes. Um padre denunciado está no ativo

Dos sete nomes de padres suspeitos recebidos, um deles já foi investigado pela justiça. No entanto, a diocese não acrescenta se este continua ou não a praticar.

Diocese de Coimbra recebeu sete nomes. Um padre denunciado está no ativo

A diocese de Coimbra é a mais recente a anunciar o número de padres suspeitos de terem cometido crimes de abusos sexuais de menores. Ao final da noite de sexta-feira, a diocese confirmou que recebeu, da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais de Crianças, uma lista com sete párocos alvos de denúncias.

Dessa lista, explica a diocese coimbrense, num comunicado divulgado no Facebook, cinco dos sete padres visados já morreram.

Um dos nomes continua no ativo, com a instituição religiosa a explicar que "foram pedidas informações à Comissão Independente, as quais foram recebidas no dia 9 de março".

"Dessas informações, conclui-se que não foi praticada nenhuma forma de abuso sexual de menor. Por esse motivo não lhe foram impostas medidas cautelares, embora esteja em curso a investigação prévia canónica", esclarece a diocese.

Já o sétimo padre, que consta da lista de sacerdotes denunciados no âmbito das investigações aos abusos na Igreja, "foi sujeito a investigação pelo Ministério Público e também a investigação prévia canónica, tendo nas duas instâncias seguido para arquivamento". No entanto, a diocese não acrescenta se este continua ou não a praticar.

A diocese de Coimbra garante ainda que "está já a trabalhar para iniciar o processo de formação dos sacerdotes e agentes pastorais ou outros colaboradores das instituições tuteladas pela Igreja", voltando a lamentar os vários casos de abusos na Igreja portuguesa.

No total, foram afastados e suspensos de funções cinco padres suspeitos de abusos sexuais - um em Braga, um na Guarda, um em Évora e dois na diocese de Angra do Heroísmo. Várias outras dioceses já confirmaram a receção da lista de sacerdotes suspeitos, confirmando que vários continuam no ativo.

A Comissão Independente validou um total de 512 testemunhos sobre abusos sexuais na Igreja e aponta para pelo menos 4.815 vítimas, entre 1950 e 2022.

A Conferência Episcopal Portuguesa tem sido muito criticada, inclusive pelo Presidente da República, devido à postura da Igreja relativamente aos inúmeros casos de abusos por parte de sacerdotes. Recentemente, o presidente da CEP, José Ornelas, recusou categoricamente falar em indemnizações às vítimas de abusos sexuais, uma posição que fez Marcelo Rebelo de Sousa considerar-se "desiludido".

Leia Também: Da "lista" às ações. Eis as dioceses que já afastaram padres suspeitos

Recomendados para si

;
Campo obrigatório