Meteorologia

  • 05 DEZEMBRO 2022
Tempo
14º
MIN 12º MÁX 15º

Especialistas da UE debatem comunidades costeiras na Costa da Caparica

Especialistas na área dos oceanos e zonas costeiras de 27 países estão reunidos até sexta-feira na Costa da Caparica, no concelho de Almada, para debater os problemas e os desafios das comunidades que vivem junto ao mar.

Especialistas da UE debatem comunidades costeiras na Costa da Caparica

A Conferência LITTORAL22 é uma organização conjunta da NOVA School of Science and Technology | FCT NOVA, do MARE - Centro de Ciências do Mar e do Ambiente, da Câmara Municipal de Almada e da associação Coastal Union (EUCC), uma plataforma de partilha de boas práticas entre os Estados-membros da União Europeia em matéria de gestão costeira e marinha.

Segundo José Carlos Ferreira, investigador e professor da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa que preside ao evento, a conferência pretende apresentar soluções a serem trabalhadas com as comunidades, facilitando a transferência de conhecimento.

O objetivo, adiantou, é que o congresso apresente um conjunto de prioridades para uma estratégia que permita às comunidades que vivem junto ao mar, como é o caso da Costa da Caparica, serem mais sustentáveis e mais resilientes.

Segundo José Carlos Ferreira, a partir do momento em que os decisores, autarquias, escolas, empresários, residentes e visitantes são envolvidos no processo de transferência de conhecimento, a comunidade fica mais capacitada.

A escolha do local para a realização da conferencia, explicou, também não foi um acaso. Esta é a segunda vez que o evento, que já vai na 16ª edição, se realiza em Portugal: a primeira foi em Cascais e agora na Costa da Caparica.

Na verdade, adiantou o investigador, toda a zona entre Cova do Vapor e a Fonte da telha, no concelho de Almada (distrito de Setúbal) é a que mais preocupa em todo o país.

"Temos alguns problemas na região Centro, alguns no Algarve, sobretudo nas rias, e depois temos a Costa da Caparica que é uma cidade que está numa zona costeira, arenosa e abaixo do nível do mar", frisou.

Se o objetivo for manter a Costa da Caparica no local onde está, adiantou, então é preciso proteger e intervir face às ameaças das alterações climáticas e do aumento do nível da água.

"Temos que nos inquietar muito em todo o país", disse, referindo ainda que Portugal está atualmente a passar por uma fase mais calma na zona costeira tendo em conta que desde 2014 que não ocorre uma verdadeira tempestade.

José Carlos Ferreira alertou, contudo, para a necessidade de um planeamento à escala nacional e um trabalho de prevenção, considerando que nesta matéria o país tem tido um postura mais reativa do que preventiva.

"A gestão do litoral é reativa. Temos planos de ordenamento da orla costeira e planos diretores municipais, temos instrumentos ao dispor para gerir, mas tem de se planear a próxima grande tempestade", salientou.

Até sexta-feira cerca de 150 especialistas debaterão temas como a literacia, educação e governança; planeamento, ordenamento e gestão; vulnerabilidade, riscos, proteção civil e alterações climáticas; ecossistemas e biodiversidade, serviços de ecossistema, infraestruturas verdes e soluções com base na natureza e ecologia marinha e costeira.

Leia Também: Áreas protegidas com falta de avaliação do estado dos ecossistemas

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório