Meteorologia

  • 10 AGOSTO 2022
Tempo
26º
MIN 19º MÁX 26º

Abusos sexuais na Igreja. Dos 338 testemunhos, 17 seguiram para o MP

A Comissão Independente que está a estudar os abusos sexuais contra crianças pela Igreja Católica portuguesa já validou 338 testemunhos, tendo encaminhado 17 casos para o Ministério Público, apesar de admitir ter poucas expectativas quanto ao êxito em matéria criminal.

Abusos sexuais na Igreja. Dos 338 testemunhos, 17 seguiram para o MP

Estes dados foram apresentados durante a manhã de hoje, numa conferência de imprensa, em Lisboa, onde foi feito um balanço dos seis meses de atividade da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa.

O pedopsiquiatra Pedro Strecht, coordenador do grupo de trabalho, salientou que "já todos sabem que houve casos de abusos sexuais em Portugal" e destacou que o trabalho feito até agora comprova que passam-se décadas desde o momento do abuso até a vítima fazer a denúncia ou falar sobre o que lhe aconteceu, defendendo, por isso, que é importante continuar a denunciar.

Do trabalho feito até agora, a comissão revelou que recebeu 365 inquéritos, tendo validado 338, e que se, num primeiro momento houve uma vaga de denúncias, o ritmo agora tem sido menor. Foram também excluídos 29 testemunhos.

Dos testemunhos validados, 17 foram encaminhados para o Ministério Público para eventual instauração do respetivo procedimento criminal, apesar de a comissão admitir "poucas expectativas quanto ao êxito em matéria criminal", uma vez que os testemunhos são dados de forma anónima e em muitos casos não é identificado o abusador ou o local em que ocorreram os abusos.

No entanto, Pedro Strecht garantiu que todos os nomes de abusadores referenciados serão enviados tanto para o Ministério Público como para a Igreja Católica Portuguesa.

Os dados apurados revelam que 56,9% das vítimas que deram testemunho à comissão eram homens e 39,7% eram mulheres e que 73% das vítimas têm atualmente até 65 anos.

Tendo em conta a faixa etária, há 2% de vítimas com menos de 18 anos, 5,1% com idade entre os 18 e os 25 anos, 7,6% entre 36 e 45, 21,2% entre 46 e 55 e 22,9% com idade entre 55 e 65 anos. Há também 16,4% de vítimas que hoje têm entre 66 e 75 anos e uma percentagem de quase 6% que tem 76 ou mais anos.

Quanto ao nível de escolaridade, os dados revelam que praticamente uma em cada três das vítimas tem uma licenciatura.

A maior parte das vítimas caracterizou os abusos sofridos como "toque de outras zonas erógenas do corpo ou beijos nas mesmas zonas" ou "manipulação de órgãos sexuais", mas há também casos de sexo oral (15,6%), sexo anal (10,8%) ou cópula consumada (5,9%).

É também uma maioria (61%) aquela que ainda hoje se considera católico praticante, e há diferentes razões para terem decidido dar o seu testemunho à comissão, variando entre a necessidade de contar um segredo, a vontade de que mais ninguém passe pelo mesmo ou a reposição da verdade, nomeadamente em relação ao número de possíveis vítimas.

Em relação aos abusadores, a maioria são homens, com predomínio de padres, mas há também mulheres, nomeadamente religiosas e catequistas.

O psiquiatra Daniel Sampaio, que também faz parte da comissão, apresentou um panorama global dos abusos sexuais e revelou que a tendência em todo o mundo é de 164 a 197 casos de raparigas vítimas em cada mil, enquanto nos rapazes o número anda entre os 166 e os 188 por cada mil.

Frisou, no entanto, que em contexto institucional os rapazes são mais frequentemente vítimas do que as raparigas.

Apontou também que a cultura do silêncio ajuda a perpetuar os crimes e a penalizar ainda mais a vítimas, sublinhando que em 60% dos casos as pessoas ficam com situações graves de psicopatologias, como 'stress' pós-traumático, ansiedade ou tentativas de suicídio.

"O abuso é algo que ninguém esquece ao longo da vida", apontou, defendendo a necessidade de uma boa resposta ao nível da saúde mental para estas pessoas e apontando que isso ainda não existe em Portugal.

Leia Também: Definido acesso aos arquivos pela equipa de estudo dos abusos sexuais

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório