Meteorologia

  • 05 JULHO 2022
Tempo
29º
MIN 17º MÁX 31º

Satisfação dos portugueses com democracia "decresceu significativamente"

Um estudo hoje apresentado pela Fundação Francisco Manuel dos Santos indica que os níveis de satisfação dos portugueses com o funcionamento da democracia "decresceram significativamente" durante a pandemia, apesar de continuar a ser largamente o regime político mais apoiado.

Satisfação dos portugueses com democracia "decresceu significativamente"
Notícias ao Minuto

06:17 - 27/05/22 por Lusa

País Covid-19

Intitulado 'Um novo normal? Impactos e lições de dois anos de pandemia em Portugal', o estudo - coordenado pelos investigadores Nuno Monteiro e Carlos Jalali - visa "registar o sucedido" durante a pandemia de Covid-19 e "aprender as lições" para preparar melhor "futuras crises e pandemias".

No quinto capítulo do estudo - 'A democracia em tempos de pandemia: impacto da pandemia de Covid-19 no sistema político português' -, é realçado que "os níveis de satisfação dos portugueses com o funcionamento da democracia (...) decresceram ainda mais e de forma muito considerável durante a pandemia".

Segundo o estudo, "de entre os países em análise, apenas três outros - Malta, Eslovénia e Áustria - evidenciam um decréscimo equivalente ou superior ao registado por Portugal".

No entanto, o estudo salienta que "as atitudes dos cidadãos em relação à democracia enquanto forma de governo não parecem ter sido abaladas pela pandemia, continuando a ser largamente maioritário o apoio dos portugueses à democracia (acima dos 90%), quando comparada com outras formas de governo não democráticas".

No que se refere aos níveis de confiança no Governo, "regista-se apenas um ligeiro decréscimo durante a pandemia (2020-2021)", contrariando "a tendência prevalecente na generalidade dos países europeus", em que essa confiança se viu reforçada.

Em contrapartida, o apoio a um "Governo de especialistas" aumentou significativamente com a experiência pandémica: se, em 2017, 59% se mostravam favoráveis a esse tipo de executivo, em 2021 esse valor subiu para 69%.

No entanto, a perspetiva de um Governo com um líder forte, "pouco preocupado com o escrutínio do parlamento ou com a fiscalização da sua atuação através das eleições", decresceu no mesmo período, passando dos 50% em 2017, para os 42% em 2021.

Indicando também que, em contextos de crise, os fenómenos eurocéticos e populistas costumam ser "frequentemente amplificados", o estudo enfatiza, no entanto, que tal não aconteceu em Portugal.

Para ilustrá-lo, os investigadores apontam que os níveis de confiança dos portugueses nas instituições europeias chegaram mesmo a aumentar, com a confiança na Comissão Europeia a disparar para 83,6% em 2021, depois de ter atingido um mínimo histórico de 33% em 2014.

No que se refere "à presença de retórica populista nos discursos dos partidos políticos portugueses, esta parece ter-se atenuado no período pandémico, em particular na sua componente antielitista", escrevem ainda os investigadores.

Numa análise aos simpatizantes dos partidos políticos, o estudo refere que, durante a pandemia, observou-se em Portugal "alguns sinais de polarização dos partidos e de eleitores, com uma diminuição dos inquiridos que se posicionam ao centro em termos ideológicos".

Os investigadores notam que essa "polarização com base em linhas partidárias está particularmente patente no que respeita à ideia de o coronavírus ter sido criado em laboratório como arma biológica", com a existência de uma tendência para os eleitores de direita acreditarem mais em teorias de conspiração do que os de esquerda.

Confrontados com a afirmação "o coronavírus foi criado em laboratório como arma ideológica", por exemplo, 78,6% dos simpatizantes do Chega inquiridos em setembro e outubro de 2021 concordaram com essa afirmação, enquanto que, no que se refere a apoiantes do Bloco de Esquerda (BE), 34,5% partilharam a mesma opinião.

O estudo em questão baseou-se num inquérito de opinião à população portuguesa feito 'online' ou por via telefónica em duas vagas: "na primeira vaga, o trabalho de campo realizou-se entre 16 de março e 20 de maio de 2021, num total de 3.643 entrevistas"; "na segunda vaga, entre 6 de setembro de 2021 e 2 de outubro do mesmo, procedeu-se à reinquirição de aproximadamente 50% da amostra da primeira vaga, num total de 1.640 novas entrevistas".

O estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos é apresentado hoje e no sábado no Teatro Camões, em Lisboa, no âmbito de um encontro intitulado "Outra vez nunca mais - prevenção e resposta a pandemias".

Leia Também: Covid. Investimento na vacinação compensou risco da escassez de recursos

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório