Meteorologia

  • 06 JULHO 2022
Tempo
29º
MIN 17º MÁX 31º

Tensão na Rússia? Putin poderá "ser substituído por um pior ainda"

Devido ao fracasso da ação militar russa em solo ucraniano, José Milhazes considera que a Rússia está em risco de ser alvo de movimentos separatistas, podendo mesmo levar ao afastamento do presidente russo – e à sua substituição por alguém "pior ainda".

Tensão na Rússia? Putin poderá "ser substituído por um pior ainda"

Perante o anúncio de que a Finlândia e a Suécia pretendem apresentar candidaturas de adesão à NATO, e as ameaças de retaliação por parte do regime de Vladimir Putin, presidente russo, o jornalista José Milhazes, que foi correspondente em Moscovo durante 16 anos, apontou, em declarações à SIC Notícias, que a Rússia mostra estar “cada vez mais isolada”. Esse isolamento, por sua vez, poderá dar lugar a movimentos separatistas dentro da Federação Russa, levando, consequentemente, a uma eventual substituição do líder russo – talvez por “um pior ainda”.

Para o comentador, o isolamento da Rússia poderá “ter consequências ainda muito mais funestas”, uma vez que Putin invadiu a Ucrânia para impedir que o país se torne membro da NATO “e, a seguir, tem dois países vizinhos da Rússia, [particularmente a Finlândia,] que sempre manteve um estatuto de neutralidade e cujos habitantes sempre respeitaram muito esse acordo, mostrando que estariam dispostos a continuar, [a pedir adesão à aliança]”, começa por explicar.

“Se ele não previa uma reação destas da Finlândia e da Suécia, é outro erro trágico para Vladimir Putin”, aponta o especialista em História da Rússia, lançando que “está a sair-lhe tudo ao contrário”.

“Invade a Ucrânia, não consegue vitória nenhuma. Quer travar o alargamento da NATO, e provoca exatamente o processo contrário. Se eu fosse um patriota russo, começava a pensar que Putin pode ser um agente norte-americano a trabalhar contra a Rússia”, lançou, considerando que, se o rumo da situação prosseguir, “vamos ter uma situação muito grave – o risco de a Federação Russa se desintegrar”.

“Não conseguindo obter resultados práticos na Ucrânia, e tendo o alargamento da NATO com estes dois novos países, a elite russa, – o chamado partido da guerra –, terá de fazer alguma coisa para salvar a cara, e isso pode passar pelo afastamento de Putin. A luta pelo poder em Moscovo, tendo em conta o enfraquecimento das forças armadas devido à guerra na Ucrânia, pode provocar, dentro da própria Rússia, movimentos separatistas”, esclarece.

O jornalista adianta que, neste momento, “é difícil prever quem é que será o escolhido, se aparecer a tentação de substituir Putin”, mas que “homens dos serviços secretos”, ou até mesmo “algum militar – embora isso não seja muito tradicional na Rússia” – poderão ser considerados. Nesta linha, Milhazes realça que o problema passa pela possibilidade de alguém ainda pior do que Putin ascender ao poder.

“O problema aqui é que estamos cada vez mais perante a possibilidade de Putin ser substituído por um pior ainda, e isso pode criar vários problemas, porque a Rússia está em fuga para a frente, mas cada vez que dá um passo em frente, o resultado é desastroso”, remata.

Recorde-se que o Partido Social Democrata sueco, no poder, aprovou uma candidatura da Suécia à NATO, abrindo caminho a um pedido de adesão pelo Governo, na segunda-feira. A notícia surgiu no dia em que a Finlândia anunciou a intenção de aderir à NATO, alargando, assim, a aliança militar ocidental que conta com 30 membros.

A inversão na histórica posição de não alinhamento dos dois países escandinavos surge na sequência da invasão da Ucrânia por Moscovo, que fez mudar a opinião pública e política na Finlândia e na Suécia.

No mesmo dia, o presidente russo avisou o Ocidente de que a Rússia responderá caso a NATO comece a reforçar as infraestruturas militares da Suécia e da Finlândia, ao passo que o vice-ministro russo dos Negócios Estrangeiros, Sergei Ryabkov, reiterou que a adesão da Finlândia e da Suécia à NATO será um erro com amplas consequências que Moscovo não tolerará.

Lançada a 24 de fevereiro, a ofensiva militar na Ucrânia já matou mais de três mil civis, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

O conflito causou ainda a fuga de mais de 13 milhões de pessoas, das quais mais de seis milhões para fora do país, de acordo com os mais recentes dados da ONU.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Leia Também: Dia da Vitória. "Uma montanha muito grande pariu um rato muito pequeno"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório