Meteorologia

  • 07 JULHO 2022
Tempo
22º
MIN 21º MÁX 39º

Rússia "responderá" se a NATO apoiar militarmente a Suécia e Finlândia

"Qual será [essa resposta]? Veremos que ameaças surgem para nós", disse o chefe de Estado russo.

Rússia "responderá" se a NATO apoiar militarmente a Suécia e Finlândia
Notícias ao Minuto

14:41 - 16/05/22 por Notícias ao Minuto

Mundo Rússia/Ucrânia

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, avisou esta segunda-feira o Ocidente de que a Rússia responderá caso a NATO comece a reforçar as infraestruturas militares da Suécia e da Finlândia, as quais deram já a conhecer as suas intenções de aderirem à Aliança Atlântica.

Como noticia a Reuters, em declarações proferidas perante os líderes de uma aliança militar de antigos Estados soviéticos, o chefe de Estado da Rússia referiu que o alargamento da NATO estava a ser utilizado pelos Estados Unidos da América de uma forma "agressiva", para agravar uma situação de segurança global já interpretada como "difícil".

De acordo com Putin, a Rússia não tinha qualquer problema com estes dois países nórdicos, pelo que não haverá qualquer ameaça direta, derivada do alargamento da NATO, que venha a afetar esses países.

"Mas a expansão das infraestruturas militares neste território provocaria certamente a nossa resposta", garantiu o presidente russo, perante os dirigentes da Organização do Tratado de Segurança Coletiva, que inclui a Bielorrússia, Arménia, Cazaquistão, Quirguizistão e Tajiquistão.

"Qual será [essa resposta]? Veremos que ameaças surgem para nós", apontou ainda, em declarações proferidas no Palácio do Grande Kremlin. "Os problemas estão a ser criados sem qualquer razão. Iremos reagir em conformidade", asseverou.

Até agora, a Rússia deu poucas pistas específicas acerca do que irá fazer em resposta ao alargamento nórdico da NATO, que surgiu como uma das principais consequências da invasão russa sobre a Ucrânia.

No mês passado, no entanto, um dos aliados mais próximos de Putin, o antigo presidente Dmitry Medvedev, tinha alertado que a Rússia poderia destacar armas nucleares e mísseis hipersónicos no exclave russo de Kaliningrado caso a Finlândia e a Suécia aderissem à NATO.

Recorde-se ainda que o presidente russo tem vindo a citar repetidamente o alargamento da Aliança Atlântica para leste, em direção às fronteiras da Rússia, como justificativa para a guerra na Ucrânia.

A ofensiva militar russa na Ucrânia, que teve início a 24 de fevereiro, já matou mais de três mil civis, segundo a ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior. Também segundo a mesma fonte, mais de 15 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Leia Também: Rússia reitera que "não tolerará" Finlândia e Suécia na NATO

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório