Meteorologia

  • 04 AGOSTO 2021
Tempo
20º
MIN 19º MÁX 28º

Edição

'Salvar Cabo Delgado' realiza marcha em Lisboa até embaixada moçambicana

A plataforma Salvar Cabo Delgado realiza hoje uma marcha entre a sede da CPLP e a embaixada de Moçambique, em Lisboa, pretendendo "manifestar a solidariedade dos povos lusófonos para com as vítimas dos ataques" na província moçambicana.

'Salvar Cabo Delgado' realiza marcha em Lisboa até embaixada moçambicana
Notícias ao Minuto

06:56 - 25/06/21 por Lusa

País Moçambique/Ataques

A marcha decorre no dia em que se assinalam 46 anos desde a independência de Moçambique, em 25 de junho de 1975.

A iniciativa tem início marcado para as 14:00 junto da sede da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), em Lisboa, e passará pela Avenida da Liberdade, prevendo chegar à embaixada de Moçambique em Portugal pelas 15:00.

A plataforma Salvar Cabo Delgado, que em abril realizou também uma vigília junto da sede da CPLP, pretende "manifestar a solidariedade dos povos lusófonos para com as vítimas dos ataques em Cabo Delgado e sensibilizar a sociedade civil para o drama que ali se vive".

A plataforma conta ainda entregar uma carta ao embaixador moçambicano em Portugal, Joaquim Bule.

Na missiva, a organização da marcha refere que a situação em Cabo Delgado exige "a maior atenção, solidariedade e empenho" de todos.

"Não podemos aceitar que a província moçambicana se torne mais uma vítima do fundamentalismo (pretensamente) religioso e do terrorismo. Exortamos, pois, o Governo da República de Moçambique a solicitar o empenhamento de toda a CPLP (...), de modo a, no imediato, pacificar o território, bem como (...) a promover, com esse apoio internacional, um maior desenvolvimento da região, para benefício de toda a população aí residente", concluem na carta.

Grupos armados aterrorizam a província de Cabo Delgado, norte de Moçambique, desde 2017, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo 'jihadista' Estado Islâmico, numa onda de violência que já provocou mais de 2.800 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED, e 732.000 deslocados, de acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU).

Ainda segundo a ONU, mais de 900.000 pessoas estão sob insegurança alimentar severa em Cabo Delgado e as comunidades de acolhimento estão também a precisar urgentemente de abrigo, proteção e outros serviços.

[Notícia atualizada às 18h14]

Leia Também: MNE espera aprovação da missão europeia a Cabo Delgado em julho

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório