Meteorologia

  • 27 NOVEMBRO 2021
Tempo
MIN 9º MÁX 15º

Edição

Assembleia Municipal de Lisboa expressa pesar pela morte de Jorge Coelho

Lisboa, 13 abr 2021 (Lusa) -- A Assembleia Municipal de Lisboa (AML) aprovou hoje, por unanimidade, um voto de pesar e cumpriu um minuto de silêncio pela morte do antigo dirigente e ministro socialista Jorge Coelho.

Assembleia Municipal de Lisboa expressa pesar pela morte de Jorge Coelho

Jorge Coelho, que atualmente se dedicava à atividade empresarial e que estava há vários anos afastado da vida política ativa, faleceu na quarta-feira, aos 66 anos, na Figueira da Foz, distrito de Coimbra, vítima de ataque cardíaco fulminante.

No documento, apreciado na sessão sessão plenária da AML, é referido que o antigo ministro, um "histórico socialista e notável amigo da democracia, soube de forma singular traduzir na sua atuação a proximidade ao cidadão comum, cujos anseios e emoções sabia interpretar como poucos governantes o conseguiram".

"Deixa-nos um legado político de diversidade e de dedicação inigualáveis, ficando para sempre como o homem do coração socialista e como alguém que soube de forma exemplar materializar o espírito e a alma do socialismo", lê-se no voto de pesar apresentado pelo grupo municipal do PS.

Jorge Coelho foi ministro de três pastas nos governos de António Guterres: ministro Adjunto, ministro da Administração Interna, ministro da Presidência e do Equipamento Social.

A partir de 1992, com Guterres na liderança, Jorge Coelho foi secretário nacional para a organização, contribuindo para a vitória eleitoral dos socialistas nas legislativas outubro de 1995.

"A 4 de março de 2001, voltaria a deixar a sua assinatura na cultura política e democrática portuguesa, ao assumir, demitindo-se, a responsabilidade política plena pela queda da ponte de Entre-os-Rios", é ainda realçado no voto.

Na sessão plenária de hoje, foi também aprovado, por unanimidade, um voto de pesar pela morte de António Almeida Henriques, que presidia à Câmara Municipal de Viseu desde 2013.

"Da sua experiência e da sua vivência cívica deixou uma infinidade de amizades e elogios de todo o espetro político, onde era considerado como um cavalheiro de sorriso fácil e com capacidade de fazer pontes e obter consensos", lê-se no documento apresentado pelo PSD.

O presidente da Câmara de Viseu morreu em 04 de abril, aos 59 anos, vítima de complicações respiratórias decorrentes da covid-19.

Leia Também: Jorge Coelho. Palmas e cravos vermelhos no último adeus em Mangualde

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório