Meteorologia

  • 26 JANEIRO 2021
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 19º

Edição

Homicídios conjugais diminuem lentamente, sobe n.º de mulheres condenadas

Os homicídios em Portugal têm diminuído progressivamente nos últimos anos, mas no caso dos homicídios conjugais esse decréscimo é "mais lento" e irregular, indicam hoje dados do Governo, no Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres.

Homicídios conjugais diminuem lentamente, sobe n.º de mulheres condenadas
Notícias ao Minuto

12:26 - 25/11/20 por Lusa

País Violência contra as Mulheres

Em nota informativa, o Ministério da Justiça refere que entre 2015 e 2019 o número de pessoas condenadas por homicídio, no qual se inclui o homicídio em que a vítima é cônjuge ou companheiro(a), apresenta uma tendência de decréscimo.

Mas, adianta a nota, "há uma forte prevalência dos casos em que a pessoa condenada é do sexo masculino no número de pessoas condenadas por crime de homicídio conjugal, isto apesar do número de mulheres condenadas apresentar uma ligeira tendência de crescimento".

Em 2019 contabilizaram-se 23 vítimas de homicídio conjugal sendo a maioria do sexo feminino (65,2%).

Assim, em 2019, o número de homicídios conjugais foi de 23 (13,5% do total) contra 147 homicídios não conjugais (86,5% do total).

O pior ano dos últimos cinco (2015-2019), na vertente do homicídio conjugal, foi o de 2016, altura em que houve 32 casos, ou seja, 14,8% do total dos 216 homicídios registados nesse ano.

O decréscimo do homicídio conjugal revela-se "mais lento" e irregular, com 27 casos (11,3% do total) em 2015, 32 casos (14,8%) em 2016, 14 casos (7,3%) em 2017, 20 casos (10,9%) em 2018 e 23 casos (13,5%) em 2019.

Quanto ao total de homicídios (conjugais e não conjugais), foi de 238 em 2015, 216 em 2016, 192 em 2017, 184 em 2018 e 170 em 2019, ou seja sempre a diminuir.

Quanto à forte prevalência dos casos em que a pessoa condenada é do sexo masculino no número de pessoas condenadas por crime de homicídio conjugal, os dados indicam que em 2015 a percentagem foi de 88,9%, em 2016 de 90,6%, em 2017 de 71,4%, em 2018 de 70% e em 2019 de 73,9%.

O número de mulheres condenadas por homicídio conjugal tem vindo a subir, embora de forma irregular, sendo respetivamente de 11,1% em 2015, 9,4% em 2016, 28,6% em 2017, 30% em 2018 e 26,1% em 2019.

Os dados hoje fornecidos pelo ministério dirigido por Francisca Van Dunem constam de um estudo da Direção-Geral da Política de Justiça.

Leia Também: Violência doméstica. Redução de denúncias em outubro "não nos descansam"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório