Meteorologia

  • 06 DEZEMBRO 2021
Tempo
14º
MIN 9º MÁX 18º

Edição

Vacina para o novo coronavírus "pode estar para breve"

Francisco George, diretor-geral da Saúde durante 12 anos, acredita que o desenvolvimento de uma vacina para combater o novo coronavírus chinês pode estar para mais breve do que se pensa.

Vacina para o novo coronavírus "pode estar para breve"

O médico e especialista em saúde pública Francisco George quis deixar um "sinal de confiança" relativamente à epidemia do novo coronavírus chinês, que já causou mais de 500 vítimas mortais, numa altura em que o número de infectados já supera os 27 mil. Na opinião do antigo diretor-geral da saúde,  o facto de este novo vírus ter sido rapidamente identificado e sequenciado fará com que seja possível desenvolver uma vacina da forma mais rápida, em menos de dois, três meses. 

"E isso está a ser feito na China, onde há laboratórios preparados para tal, com o apoio da comunidade científica internacional", disse o médico, mostrando-se confiante de que é possível um "cerco ao vírus" com a vacina que "pode estar para breve".

É, pelo menos, "essa a linha principal de trabalho em que os cientistas, dia e noite nos laboratórios muito sofisticados e com recursos ilimitados, estão a trabalhar", frisou. 

"Estou em crer que vai ser possível na China ter uma vacina mais rápida do que se pensa mas também, dada a magnitude da epidemia, pode haver uma imunidade de grupo natural", defendeu. 

Isto é: "Aqueles que tiveram formas ligeiras já terão anticorpos para o coronavírus, e os curados também. Mais os anticorpos criados com uma vacina, podemos em breve vir a ter um cerco ao vírus e controlar a epidemia. É este rumo que os epidemologistas estão a seguir", explicou Francisco George. 

Apesar do "sinal de confiança", o especialista em saúde pública admitiu que "estamos a assistir, dia após dia, semana após semana, ao aumento descontrolado da componente ascendente da curva epidémica", que é motivo de preocupação sobretudo na China. 

Isto é, continuou, uma curva epidémica normalmente faz o desenho de uma montanha (a subida, o cume e a descida). E neste caso "ainda não chegámos ao cume, ao pico da curva epidémica", nem é possível antever quando acontecerá. 

Francisco George sinalizou também que se registou esta quarta-feira o maior registo de novos casos de infeção desde o dia 12 de dezembro, início da epidemia. 

"Os chineses estão a sofrer sobretudo na região do epicentro da epidemia, estão a sofrer pela exposição ao risco da infeção, por aqueles que morrem, mas também aqueles que estão em quarentena, que não vão ao trabalho, não vão às compras", afirmou. 

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

;
Campo obrigatório