Meteorologia

  • 27 SETEMBRO 2021
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 26º

Edição

Trabalhadores de empresas de mármore no Alentejo com salários em atraso

Trabalhadores de duas empresas alentejanas do setor dos mármores, em Vila Viçosa e Borba (Évora), estão a pedir a suspensão dos contratos por salários em atraso, mas a administração disse que o problema está "em resolução".

Trabalhadores de empresas de mármore no Alentejo com salários em atraso
Notícias ao Minuto

18:59 - 11/12/19 por Lusa

País Alentejo

A situação nas empresas Marmetal, localizada em Vila Viçosa e dedicada à extração de mármore, e Margrimar, situada em Borba e dedicada à transformação do mesmo material, está a ser acompanhada pelo Sindicato dos Trabalhadores da Cerâmica, Construção, Madeiras, Mármores e Cortiças do Sul (STCCMMCS).

"Os trabalhadores das duas empresas estão a avançar para a suspensão dos contratos de trabalho, uma vez que existe esta situação dos salários em atraso de outubro e novembro e têm agora a perspetiva de não receberem o subsídio de Natal, que vence no dia 15", explicou hoje à agência Lusa o dirigente sindical Nuno Gonçalves.

Segundo o mesmo sindicalista, o STCCMMCS já promoveu um plenário, no início deste mês, com trabalhadores de ambas as empresas e realizou hoje outro com funcionários da Marmetal, a única delas em que tem associados.

"A administração das duas empresas tinha dado a palavra de pagar os salários na quarta-feira da semana passada, mas, quando não pagou, sabemos que, no dia a seguir, um conjunto de trabalhadores da Margrimar começou a tratar da documentação e a avançar para a suspensão dos contratos de trabalho, para poder ter acesso ao subsídio de desemprego", referiu.

Do plenário realizado hoje, o sindicato ficou a saber que "trabalhadores da Marmetal também já começaram, esta terça-feira, a entregar a suspensão dos contratos de trabalho".

No conjunto, as duas empresas "têm cerca de 30 trabalhadores" e, segundo Nuno Gonçalves, do que é possível perceber, "estão unidos nesta decisão de avançar com a suspensão dos contratos para poderem ter acesso a algum rendimento, através do fundo de desemprego, e tentarem passar um Natal mais ou menos digno".

"Até ao Natal não se perspetiva que haja alguma evolução e, no início do ano, é tentar perceber se a situação evoluiu positivamente e decidir o que fazer", acrescentou o sindicalista.

Contactado pela Lusa, o administrador executivo das duas empresas, Luís Sotto-Mayor, reconheceu que os vencimentos de outubro e novembro estão em atraso e lembrou que o subsídio de Natal "só vence no dia 15", ou seja, no próximo domingo.

O responsável admitiu que tem assinado "papéis para a suspensão de contratos de trabalho", mas disse não saber, até agora, "quantos trabalhadores" já formalizaram o processo.

Segundo o administrador, "o assunto está a ser tratado" e "é para ser resolvido a muito curto prazo", com os objetivos de "pagar aos trabalhadores e restabelecer a atividade das empresas".

"A situação está em fase de resolução e, mal isso aconteça, os trabalhadores recebem o que têm a receber. A ideia é pagar-lhes tudo e as empresas poderem voltar à normalidade", disse.

A Marmetal, do lado de Vila Viçosa, e a Margrimar, do lado de Borba, ficam situadas junto da Estrada Municipal 255, mesmo perto do troço que, a 19 de novembro do ano passado, colapsou, provocando cinco vítimas mortais.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório