Meteorologia

  • 14 DEZEMBRO 2019
Tempo
14º
MIN 12º MÁX 17º

Edição

Sindicato quer que agressões a professores sejam crime público

O Sindicato Independente de Professores e Educadores (SIPE) vai lutar para que as agressões a professores sejam consideradas crime público e tenham penalizações mais pesadas e vai lançar uma plataforma para as vítimas denunciarem casos.

Sindicato quer que agressões a professores sejam crime público
Notícias ao Minuto

18:25 - 25/10/19 por Lusa

País SIPE

As várias histórias de violência contra professores e funcionários ocorridas esta semana dentro das escolas levaram o SIPE a avançar com medidas para combater o problema, contou à Lusa a presidente do sindicato, Júlia Azevedo.

Na próxima segunda-feira, o SIPE vai pedir junto do Ministério Público, do Ministério da Justiça e do Ministério da Educação "o reconhecimento de crime público para agressões a professores realizadas em contexto escolar, à semelhança do que acontece em situações de violência doméstica".

Atualmente, estas agressões são consideradas crime semipúblico, o que significa que apenas a vítima pode fazer queixa.

Se passarem a ser considerada crime público, qualquer pessoa poderá denunciar a situação.

No mesmo dia, o SIPE prevê lançar também uma petição para que a Assembleia da República discuta o reconhecimento de agressões como crime público e penalizações mais pesadas para os agressores.

Júlia Azevedo lembrou que na maior parte dos casos, agredir um professor ou um funcionário "não traz qualquer consequência para o agressor".

A presidente do SIPE recordou um caso recente em que uma professora foi agredida na sala de aula por um aluno do 6.º ano e decidiu fazer queixa: "A direção da escola chamou os encarregados de educação mas decidiu não aplicar nenhum processo disciplinar porque o aluno vinha de um meio desfavorecido. Quando a professora chegou à aula tinha lá o aluno".

Numa outra escola, em Muralhas do Minho, dois professores e dois funcionários foram alvo de agressões físicas, que incluíram murros, e também decidiram fazer queixa. Ali, foi a GNR que alertou para os eventuais efeitos do processo: "A GNR disse que o tempo de atuação demora entre quatro a cinco meses e no final é normal que nada aconteça ao encarregado de educação que os agrediu", recordou Júlia Azevedo.

"As pessoas que deram a cara com muita coragem já estão a pensar retirar a queixa porque ela não tem qualquer consequência", lamentou.

O sentimento de impunidade tem dois efeitos perversos: A repetição dos crimes por parte dos agressores e o abdicar de fazer queixa, segundo o SIPE.

O Sindicato decidiu também por isso criar uma plataforma - "Violência nas Escolas -- Tolerância ZERO" -- que terá uma linha de apoio às vítimas, para que possam "denunciar situações de agressão física e verbal sem medo de futuras represálias dos agressores", contou.

O SIPE duvida das recentes declarações do Ministério da Educação que disse que deverá haver um decréscimo do número de agressões a professores. O sindicato lembrou que "na maioria das situações, os casos não são comunicados às autoridades através da apresentação de queixa, que apenas pode ser feita pela vítima".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório