Meteorologia

  • 02 ABRIL 2020
Tempo
11º
MIN 7º MÁX 19º

Edição

DGArtes: Sindicato exige que todas estruturas tenham financiamento

O CENA-STE reiterou hoje que o novo modelo dos concursos de apoio às artes, cujos resultados foram divulgados na sexta-feira, "mantém erros do passado" e exigiu a garantia de que todas as estruturas elegíveis tenham financiamento.

DGArtes: Sindicato exige que todas estruturas tenham financiamento
Notícias ao Minuto

20:31 - 15/10/19 por Lusa

País DGArtes

Num comunicado hoje divulgado, o Sindicato dos Trabalhadores de Espectáculos, do Audiovisual e dos Músicos (CENA-STE) exige "que se garanta que todas as estruturas elegíveis tenham financiamento, assim como se reforce o quadro de apoios que permita o recurso das não elegíveis e a possibilidade de continuarem a sua atividade".

Na sexta-feira, a Direção-geral das Artes (DGArtes), responsável pela organização dos concursos a nível nacional, divulgou os resultados provisórios dos Concursos Sustentados Bienais 2020/2021, segundo os quais 177 candidaturas foram consideradas elegíveis, em "qualidade e diversidade", pelos júris de todas as áreas, de um total de 196 candidaturas apresentadas.

Das 177 candidaturas elegíveis, 102 vão receber financiamento, 75 consideradas elegíveis não receberão financiamento e 19 foram excluídas do concurso, por terem sido consideradas não elegíveis pelos júris.

Este concurso, afirma o CENA-STE, "deixou de fora quase uma centena de companhias, a sua larga maioria elegíveis, centralizando ainda mais a criação e produção cultural nas grandes cidades e afastando-as de todo o restante país".

O sindicato destaca também o facto de os resultados "terem sido divulgados com atraso (ordinariamente seriam conhecidos durante a campanha eleitoral)".

Para o CENA-STE, a publicação dos resultados "deixa claro" que as preocupações daquela estrutura sindical, bem como dos profissionais dos espetáculos e das estruturas de criação, "não eram infundadas em relação ao modelo de apoio às artes".

"Este modelo não traz a estabilidade exigida há muito pela generalidade do sector, mantém erros do passado e exclui estruturas e companhias de produção e criação, ignorando o trabalho que têm feito até ao presente", defende.

O sindicato reitera que, "independentemente do modelo de concurso, o essencial é garantir um aumento significativo de verbas que permita a estabilidade das companhias já apoiadas e o apoio às novas estruturas", reafirmando que "apenas a concretização da reivindicação do sector '1% do Orçamento de Estado para a cultura como meta mínima orçamental' dará cobro às necessidades, cumprindo o direito constitucional de fruição e criação cultural".

Por considerar tratar-se de "algo que em nada é diferente daquilo que levou às mobilizações de abril de 2018 e que obrigou o governo a aumentar a verba para os apoios às artes", o CENA-STE "apela a todas as estruturas, apoiadas ou não, a que participem nas ações a serem convocadas nos próximos dias".

A reação do CENA-STE é mais uma a juntar-se a várias que têm sido tornadas públicas, desde sexta-feira.

Hoje, soube-se que cerca de meia centena de entidades artísticas descontentes com os resultados provisórios de concursos de apoio às artes subscreveram uma carta ao primeiro-ministro a pedir aumento das verbas, que vai ser entregue na sexta-feira, em Lisboa.

Na missiva alegam que a verba orçamental que tem sido dedicada à área da Cultura não chega "para suprimir a falta de criação e oferta artística no país" e pedem também a reformulação do modelo de apoio às artes.

O valor disponível para o próximo biénio - de 18,7 milhões de euros, que, segundo a DGArtes, "garante uma cobertura de 60% do total das 177 candidaturas elegíveis pelo júri" - é considerado insuficiente pelos artistas que assinam a carta.

Na carta endereçada a António Costa, os artistas manifestam ao primeiro-ministro a sua "desilusão" por "constatar a passividade do Governo perante a manifesta insuficiência da verba atribuída ao referido concurso", e exigem "a atribuição de apoio a todas as entidades elegíveis a financiamento".

As entidades que assinam a carta recordam ainda as posições tomadas pelos júris dos concursos para o Teatro, que, numa carta à ministra da Cultura Graça Fonseca decidiram: "[...] apelar à sua sensibilidade e compreensão para que se encontre uma solução que resgate as expectativas dos candidatos. Entendemos que um reforço, tão sólido quanto possível, da dotação para este concurso seria a melhor forma de pôr fim a esta profunda discrepância".

Os artistas alertam ainda que, "com a efetivação dos presentes resultados, em que uma grande parte dos grupos e companhias já estruturadas se desintegram e em que muitas jovens entidades são impedidas de desenvolver o seu trabalho de forma digna e sustentada, o panorama da criação e fruição cultural em Portugal é mais uma vez colocado em risco".

Afiançam, na carta, que cerca de 6,1 milhões de euros "é o suficiente para o financiamento anual de todas as estruturas elegíveis nestes concursos".

Entre as entidades artísticas de todo o país - antigas e mais recentes - que são signatárias estão a Corda Teatro, Agência 25, Algures - coletivo de criação, Associação Cultural Casa Cheia, Ballet Contemporâneo do Norte, Barba Azul criações teatrais, Capítulo Reversível, Casa da Esquina, Cegada grupo de teatro, Coletivo Retorno, Companhia Cepa Torta, Companhia João Garcia Miguel, Companhia Mascarenhas Martins, Don'Adelaide Produções.

Também assinam Ermo do Caos, Espaço das Aguncheiras, Fértil - Associação Cultural, Inquietarte - Associação Cultural, Instituto de Formação, Investigação e Criação Cultural, Jonas&Lander, LAMA Teatro, Lua Cheia teatro para todos, Marionet - Associação Cultural, Momento - Artistas Independentes, O Teatrão, Teatro Animação de Setúbal, Teatro dos Aloés, Teatro Ibérico, Teatro Meridional, Teatro-Estúdio Ildefonso Valério, Urze Teatro, Voarte e Tenda Produções.

Além das 50 estruturas artísticas, mais de 300 artistas assinam também esta carta aberta, entre eles as atrizes São José Lapa e Cucha Carvalheiro.

Sobre esta matéria, na sexta-feira, o diretor-geral das Artes, Américo Rodrigues, contactado pela agência Lusa, disse que as entidades que não foram contempladas "podem e devem" contestar estes resultados provisórios, se deles discordarem.

A fase de audiência de interessados terminará no próximo dia 25 de outubro.

Segundo Américo Rodrigues, neste concurso "houve mais 48 candidaturas admitidas, num crescimento de 32%, e um aumento de 46% de entidades elegíveis", tendo "o valor médio de apoio concedido" aumentado "cerca de 16% face ao anterior, representando um apoio médio de 183 mil euros por entidade".

O diretor-geral das Artes destacou igualmente "um rejuvenescimento do meio artístico, com a entrada de outros protagonistas", e 33 novas entidades apoiadas.

Américo Rodrigues disse ainda que, no final do processo, será feita uma análise dos concursos, para avaliar com a tutela da Cultura a necessidade de "criar novas formas de apoio" às entidades artísticas nacionais.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório