Meteorologia

  • 23 ABRIL 2019
Tempo
13º
MIN 11º MÁX 15º

Edição

Portugueses ciganos querem ser ativos na política nacional

Os portugueses ciganos querem ser parte ativa na vida política nacional, e garantem que podem fazer a diferença, pedem melhores políticas de habitação, educação e formação profissional e defendem a criação do Estatuto do Mediador Sociocultural.

Portugueses ciganos querem ser ativos na política nacional
Notícias ao Minuto

15:25 - 19/03/19 por Lusa

País Comunidade

Vários representantes das comunidades ciganas, bem como organizações que trabalham com estas pessoas, estiveram hoje a ser ouvidos no parlamento numa audição no âmbito da elaboração de um relatório sobre racismo, xenofobia e discriminação étnico-racial, a ser apresentado até ao final da legislatura.

Uma ideia partilhada entre a maioria dos presentes, é a necessidade da criação do Estatuto do Mediador Sociocultural, tendo Luís Romão, mediador escolar, defendido que esta função é "extremamente importante para o sucesso das comunidades ciganas na educação".

Luís Romão deu vários exemplos de sucesso e de como ao longo de 17 anos de trabalho como mediador escolar ajudou a aumentar o número de crianças ciganas no pré-escolar e no primeiro ciclo e questionou a falta de verbas por parte do Ministério da Educação para apostar em mais mediadores.

"A estratégia é simples. Pode não resolver a 100% ou a 50%, mas mesmo que resolva só a 30% colocando um mediador. Isso implica assim tantas verbas? Ou de uma vez por todas criar o Estatuto do Mediador? É assim tão difícil?", questionou.

Pela Rede Europeia Anti-Pobreza, Maria José defendeu uma educação para a saúde e a necessidade de mediação nos centros de saúde, não só para aproximar as comunidades ciganas dos cuidados de saúde, como para ajudar a diminuir desconhecimento por parte dos vários funcionários, entre médicos e enfermeiros, sobre esta comunidade.

Defendeu, nesse sentido, a criação de carrinhas móveis que pudessem deslocar-se junto das comunidades ciganas.

A presidente da associação Letras Nómadas, Olga Mariano, defendeu que é importante dar voz aos ciganos porque eles podem fazer a diferença e lembrou que há muitas zonas do país onde a comunidade cigana é maioritária.

"Não é só quando [os partidos] vão às feiras e pedem o nosso voto. Temos de fazer parte da vida ativa do nosso país. Nós somos portugueses ciganos e não ciganos portugueses", sublinhou, questionando como é que depois de mais de 500 anos de presença em Portugal a comunidade cigana continua a ser grande ausente nas listas dos partidos.

A questão da habitação também foi abordada, tendo o presidente da Associação de Mediadores, Prudêncio Canhoto, relatado as condições em que vivem as pessoas ciganas da zona de Beja, referindo que a maioria vive em barracas, sem qualquer saneamento ou acesso a água potável, com esgotos a céu aberto e rodeados de lixo.

Relativamente ao emprego e formação profissional, vários representantes relataram casos de pessoas que se veem obrigadas a esconder que são ciganas para puderem candidatar-se a um emprego ou no momento de tentarem alugar uma casa.

A responsável da Rede Europeia Anti-Pobreza lembrou que todas estas áreas estão interligadas que não é possível haver políticas públicas para estas áreas especificas se não houver primeiro medidas de combate à discriminação.

A esta foi a segunda audição pública no âmbito da elaboração do relatório, estando também previstas audições com altos dirigentes da administração pública de todas as áreas que estão em análise, e com o Governo.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório