Meteorologia

  • 16 NOVEMBRO 2018
Tempo
11º
MIN 10º MÁX 12º

Edição

"Vamos continuar a partilhar as agressões a polícias nas redes sociais"

O Sindicato Unificado da Polícia publicou no Facebook a fotografia de um agente agredido durante uma detenção e exige também uma reação por parte da tutela a estas imagens.

"Vamos continuar a partilhar as agressões a polícias nas redes sociais"
Notícias ao Minuto

20:31 - 23/10/18 por Natacha Nunes Costa 

País Peixoto Rodrigues

O Sindicato Unificado da Polícia (SUP) partilhou, esta terça-feira, a fotografia de um agente da PSP agredido, alegadamente, por um suspeito de furto enquanto este era detido. Na legenda da imagem, o sindicato exige uma declaração ao ministro da Administração Interna (MAI), Eduardo Cabrita, tal como o governante fez quando divulgadas as polémicas fotos da detenção dos fugitivos do Porto.

Ao Notícias ao Minuto, o presidente do sindicato explicou que situações destas acontecem todos os dias e que a tutela nada faz para prevenir as agressões às forças de segurança nacionais, por isso, o SUP decidiu começar a partilhar as agressões nas redes sociais para tentar obter uma resposta por parte do MAI.

Vamos continuar a partilhar as agressões a polícias nas redes sociais. Queremos transmitir aquilo que os polícias sofrem, são vítimas de agressões diárias, umas mais graves do que outras, mas acontece todos os dias e quando isto acontece não vemos nenhum ministro a condenar publicamente essas agressões, como aconteceu perante a foto da detenção de três fugitivos”, justificou Peixoto Rodrigues.

Para o líder do sindicato, é essencial que a tutela tome medidas para proteger os polícias “destas sucessivas agressões” porque com estes ataques é o próprio Estado que sai “fragilizado”

Todas estas agressões aos polícias, que vemos constantemente, fragilizam a democracia e o próprio Estado. Agredir um polícia é ver o próprio Estado a ser agredido”, sublinhou.

A agressão ao polícia da imagem partilhada no Facebook aconteceu no final da manhã do último domingo, na rua das Olarias, no Martim Moniz, em Lisboa. O polícia agredido tinha acabado de deter um indivíduo, de 50 anos, por suspeitas de furto de bicicletas.

Ao chegar à esquadra foi esmurrado pelo suspeito que está ilegal no país e com ordem de expulsão de Portugal.

O polícia foi transportado para o hospital onde está internado desde o dia do incidente. Quando tiver alta, o agente ficará de baixa podendo perder vários serviços de remunerado, ou seja, cerca de 200 a 400 euros, explicou Peixoto Rodrigues.

Já o suspeito, foi presente a primeiro interrogatório judicial e ficou com termo de identidade e residência e apresentações semanais, ou seja, segundo o presidente do SUP, “nem deve ir a tribunal”.

Já quanto à polémica divulgação de imagens da detenção de três fugitivos suspeitos de dezenas de furtos a idosos no Grande Porto, Peixoto Rodrigues relembrou que os agentes responsáveis pela detenção foram logo considerados como culpados pela captação do momento sem averiguações.

A detenção dos três fugitivos foi feita num lugar público, qualquer pessoa pode ter fotografado os mesmos mas, tendo em conta as declarações do ministro e até do Presidente da República, os agentes que fizeram a detenção foram logo considerados culpados, sem averiguações", lamentou.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório