Meteorologia

  • 29 OUTUBRO 2020
Tempo
15º
MIN 11º MÁX 19º

Edição

Fraude na indústria automóvel 'roubou' 1,6 mil milhões aos portugueses

As contas sobre os prejuízos que os automobilistas europeus tiveram na sequência do escândalo das emissões de CO2 acabam de ser reveladas em Bruxelas pela Federação Europeia dos Transporte e Ambiente, à qual pertencem as associações ambientalistas Quercus e a ZERO. E os portugueses não escaparam, registando só no ano passado um gasto extra com combustível superior a 264 milhões de euros.

Fraude na indústria automóvel 'roubou' 1,6 mil milhões aos portugueses

O escândalo espoletou com a alemã Volkswagen, mas nos últimos anos provou tratar-se de um esquema fraudulento muito mais vasto e abrangente, com outras tantas marcas a serem ‘afetadas’ por acusações de manipulação de testes laboratoriais. Mais recentemente, recorde-se, foram as marcas japonesas Mazda, Yamaha e Suzuki a reconhecerem a ‘falha’.

Agora, a partir de Bruxelas, chega a fatura (pesada) paga desde 2000 pelos automobilistas europeus, incluindo os portugueses. As contas foram feitas pela Federação Europeia dos Transportes e Ambiente (T&E), apoiada por 58 organizações de 26 países da Europa, incluindo as ambientalistas portuguesas Quercus e ZERO, e indicam que só no ano passado, “os portugueses gastaram mais 264 milhões de euros em combustível extra”.

Além das muitas idas às oficinas no entretanto a pedido das várias marcas, “o custo real da manipulação da indústria automóvel nos testes de eficiência de combustível” é agora revelado: “o combustível extra consumido devido a essa interferência, custou aos automobilistas um acréscimo de quase 150 mil milhões de euros nos últimos 18 anos (2000-2017)”. Isto se, sublinha a T&E no relatório divulgado esta terça-feira em Bruxelas, "assumindo que as diferenças entre as emissões e as medidas em laboratório mantiveram-se constantes em 9%, como verificado em 2000".

Só em 2017, os europeus tiveram um gasto extra de 23,4 mil milhões de euros, quase tanto quanto os portugueses gastaram em alimentação no ano anterior. Desde 2000, a manipulação dos testes de CO2 implicou a emissão de mais 264 milhões de toneladas de CO2 equivalente, correspondente às emissões anuais de CO2 dos Países Baixos”, compara a T&E.

Mas no que diz respeito à carteira de cada cidadão e ao custo extra pago em combustível, os automobilistas alemães lideram “com 36 mil milhões desperdiçados desde 2000”, seguidos pelos britânicos, “com 24,1 mil milhões”, os franceses “com 20,5 mil milhões”, os italianos (16,4 mil milhões), e os espanhóis (12 mil milhões)”.

Notícias ao MinutoInfografia dos custos extra em combustível por país© T&E

Com este esquema, "a diferença entre o desempenho dos automóveis nos testes e em condições reais aumentou de 9%, em 2000, para 42%, em 2016", devido principalmente "à manipulação dos testes laboratoriais por parte da indústria automóvel" mas também à tecnologia, nomeadamente como introdução do sistema 'start-stop', "que proporciona economias superiores em laboratório, do que na estrada".

Quercus e ZERO deixam sérios apelos e alertas 

E se entre 2000 e 2017, o valor pago pelos automobilistas portugueses -  1,6 mil milhões de euros - "é superior aos gastos totais das famílias portuguesas durante um ano em educação", destaca a ZERO, durante este período a manipulação dos testes de CO2 teve também custos ambientais elevados.

"Desde 2000 levou à emissão de mais 264 milhões de toneladas, o equivalente às emissões anuais da Holanda e às emissões de Portugal num período de quatro anos", alertam ambas as associações ambientalistas portuguesas.

É por isso "fundamental haver um enorme esforço de transparência e credibilização dos dados das emissões e metas do setor automóvel, responsável em Portugal por praticamente um quarto do total das emissões de gases com efeito de estufa", para que se possa de facto chegar a 2050 com neutralidade carbónica (não produzir mais do que a natureza pode absorver), avisa Francisco Ferreira, presidente da ZERO.

Também a Quercus deixa um sério apelo aos ministros do Ambiente e eurodeputados para que "impeçam que a indústria automóvel continue a defraudar as regras". Mais, alerta a associação ambientalista, "a proposta da Comissão Europeia para reduzir as emissões de CO2 dos veículos ligeiros de passageiros e comerciais, depois de 2020, é inadequada" e "traduz-se numa nova autorização para que a indústria automóvel mantenha o sistema de jogo". A consequência? "Os Estados-Membros ficarão mais longe de atingir os seus objetivos climáticos e os automobilistas continuarão a gastar mais em combustível".

A proposta da Comissão Europeia que não convence

A indústria automóvel e a Comissão Europeia (CE) sustentam que a implementação do novo teste de laboratório (WLTP- Worldwide harmonized Light vehicle Test Procedure) irá corrigir os problemas de teste. Essa não é, porém, a conclusão da T&E que, com base num estudo recente do JRC (centro de pesquisa da CE) revela que o WLTP apenas “introduzirá novas lacunas”.

Como? “Ao inflacionar os resultados dos testes WLTP em pelo menos 10g/km, a indústria automóvel pode facilmente atingir a redução de 15% nas emissões de CO2 proposta pela CE até 2025, diminuindo o impacto desta meta em mais de metade”.

Acontece que, concorda a Quercus com a T&E, essa “melhoria da eficiência no consumo de combustível está a revelar-se muito aquém do apregoado pelas marcas, apenas 10% desde 2000”. E, mais uma vez, são os automobilistas “os grandes lesados”, que além de continuarem a pagar por mais combustível, “sofrem as consequências das alterações climáticas”.

“É muito improvável que o aumento dos valores dos testes WLTP tenha ocorrido sem o conluio da indústria automóvel"A solução para “previr eficazmente as artimanhas” da indústria automóvel pode passar, por exemplo, pela “introdução de um teste real ou o uso de dados de medidores de consumo de combustível”. De acordo com a análise da T&E, estes testes “evitariam 108 milhões de toneladas de CO2 equivalente até 2030” e “poupariam aos automobilistas 54 mil milhões de euros na fatura de combustível, em comparação com a atual proposta da Comissão”.

Até porque, sustenta a Federação Europeia, “é muito improvável que o aumento dos valores dos testes WLTP tenha ocorrido sem o conluio da indústria. Na maioria dos países, os impostos sobre os veículos estão relacionados com as emissões de CO2 e, portanto, aumentar os valores WLTP resultaria em impostos associados mais elevados”.

E a pressão das associações nacionais da indústria automóvel tem sido feita nesse sentido, de que “os Estados-Membros subam os limites fiscais para englobar os aumentos de CO2 e evitar que algumas marcas possam perder competitividade”.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório