Meteorologia

  • 17 SETEMBRO 2021
Tempo
23º
MIN 18º MÁX 26º

Edição

Retratos de artistas nacionais assinalam o 10 de junho no Luxemburgo

Retratos de Sérgio Godinho, Almada Negreiros e do realizador Pedro Costa vão ser colados nas ruas do Luxemburgo, ao lado de imagens de artistas luxemburgueses, um projeto da dupla portuguesa Borderlovers para assinalar o Dia de Portugal.

Retratos de artistas nacionais assinalam o 10 de junho no Luxemburgo

"O objetivo é festejar o dia nacional, homenageando a cultura portuguesa, e ao fazê-lo associar também a cultura luxemburguesa", explicou à Lusa Pedro Amaral, que forma com Ivo Bassanti a dupla Borderlovers, convidada para realizar o projeto pelo Instituto Camões no Luxemburgo.

A iniciativa é semelhante à exposição "Cartes de Visite", que os Borderlovers apresentaram no ano passado, em Paris, com curadoria de João Pinharanda, e que associava intelectuais portugueses e franceses, a exemplo dos escritores Fernando Pessoa e Marcel Proust ou Amália Rodrigues e Édith Piaf.

Para produzir os retratos no Luxemburgo, os Borderlovers vão estar em residência artística no Grão-Ducado até 15 de junho, com o apoio da autarquia da capital luxemburguesa, que assegura o alojamento no atelier de artistas Canopée.

No total, os Borderlovers vão colar retratos de oito figuras emblemáticas da cultura portuguesa e luxemburguesa, de áreas como a poesia, a música, a pintura e o cinema.

Na literatura, o retrato da poetisa portuguesa Sophia de Mello Breyner Andresen vai ser associado ao de Anise Koltz, "uma poetisa luxemburguesa genial, de nível mundial, que vai fazer 90 anos e acaba de receber o Goncourt [o maior prémio literário em França]", explicou Pedro Amaral.

Na música, o cantor Sérgio Godinho vai alinhar com Serge Tonnar (nascido em 1970), conhecido pelas canções em defesa dos direitos dos imigrantes e refugiados no Luxemburgo.

Nas artes plásticas, retratos de Almada Negreiros (1893-1070) e do pintor luxemburguês Joseph Kutter (1894-1941) vão estar lado a lado numa parede perto do Museu Nacional de História e Arte, no centro da capital.

O realizador português Pedro Costa ("Cavalo Dinheiro", de 2014, ou "Juventude em Marcha", de 2006) e o luxemburguês Pol Cruchten (autor de "La supplication", de 2016, baseado no livro homónimo da escritora bielorussa Svetlana Alexievitch, prémio Nobel da Literatura em 2015) são os nomes escolhidos no cinema.

Para Pedro Amaral, a iniciativa pode ser "um ponto de aproximação entre Portugal e o Luxemburgo", despertando curiosidade sobre a cultura dos dois países.

"Quando formos colar, por exemplo, as imagens dos realizadores, como aqui no Luxemburgo ninguém conhece o Pedro Costa, mas conhecem o Pol Cruchten, vão saber que há um realizador português importante que vale a pena conhecer", antecipou.

Os retratos vão ser colados em paredes em vários pontos da capital luxemburguesa, em ações que vão contar com leituras e intervenções artísticas, ao ritmo de uma por dia, de 11 a 15 de junho, sempre às 19:00 (20:00 em Lisboa).

Os Borderlovers vão ainda homenagear os portugueses no Luxemburgo, que representam cerca de 16% da população, com uma pintura alusiva às relações com o povo luxemburguês.

"Temos uma ligação histórica e vamos festejá-la", disse Pedro Amaral, que se surpreendeu com o número de portugueses que encontrou no Grão-Ducado.

"Aqui no Luxemburgo aconteceu uma coisa que não aconteceu em Paris: em qualquer lado, encontram-se portugueses. Falamos-lhes do projeto, e eles dizem que vão aos nossos 'happenings' [inaugurações]".

O projeto assume-se como "arte efémera", demarcando-se da 'street art', "uma coisa mais agressiva, mais difícil de remover", defende o artista plástico, que aceita que os trabalhos possam vir a ser danificados pelo clima ou mesmo rasgados.

Se sobreviverem à exposição nas ruas, os retratos vão ser reaproveitados para fazer "novos trabalhos de colagem", que serão expostos no próximo ano no Instituto Camões no Luxemburgo, antecipou o artista plástico.

Pedro Amaral, de 58 anos, vive e trabalha em Sintra, tendo formado a dupla Borderlovers com Ivo Bassanti, nascido em Lisboa em 1979 e a viver atualmente em Lagery, uma aldeia a 130 quilómetros da capital francesa, onde também tem a galeria de arte Shiki Miki Paris.

No Luxemburgo, as comemorações oficiais do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas arrancam a 11 de junho, às 11:00 (menos uma hora em Lisboa), no Centro Cultural Português, com a inauguração da exposição "Cartes de Visite", que os Borderlovers realizaram em Paris, e a deposição de uma coroa de flores junto ao busto de Camões.

No mesmo dia, mas às 19:00 (18:00 em Lisboa), são colados os primeiros retratos da série realizada no Grão-Ducado, prolongando-se a ação até 15 de junho.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório