Meteorologia

  • 19 JULHO 2024
Tempo
21º
MIN 19º MÁX 31º

Afeganistão? "Reintegração" só com progressos nos direitos das mulheres

As restrições aos direitos das mulheres continuam a "bloquear" a "reintegração" do Afeganistão na comunidade internacional, afirmou hoje uma alta funcionária da ONU, sublinhando que a anunciada participação do governo talibã nas conversações de Doha não constitui uma "legitimação".

Afeganistão? "Reintegração" só com progressos nos direitos das mulheres
Notícias ao Minuto

20:00 - 21/06/24 por Lusa

Mundo Afeganistão

Desde o regresso ao poder, em agosto de 2021, as autoridades talibãs não foram oficialmente reconhecidas por nenhum país e aplicam uma interpretação bastante rigorosa do Islão, multiplicando as medidas liberticidas contra as mulheres, uma política descrita pela ONU como "'apartheid' de género".

As "restrições impostas às mulheres e às raparigas", nomeadamente em matéria de educação, "privam o país de capital humano vital", "contribuem para uma fuga de cérebros que compromete o futuro do Afeganistão", declarou Rosa Otunbayeva, chefe da missão da ONU no país (MANUA), numa reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Mais a mais, acrescentou a representante, "ao serem profundamente impopulares, [as medidas restritivas impostas pelo regime de Cabul] minam as pretensões de legitimidade das autoridades talibãs de facto" e "continuam a bloquear soluções diplomáticas que poderiam levar à reintegração do Afeganistão na comunidade internacional".

Em 2023, a comunidade internacional lançou um processo para discutir o seu reforço de empenhamento com este país da Ásia Central, através de reuniões de enviados para o Afeganistão em Doha, sob a égide da ONU e na presença de representantes da sociedade civil afegã, incluindo mulheres.

As autoridades talibãs garantiram a participação na terceira ronda de negociações no Qatar, prevista para 30 de junho e 01 de julho.

Os talibãs foram excluídos da primeira reunião, em maio de 2023, e recusaram-se a participar na segunda, em fevereiro deste ano, a menos que os seus membros fossem os únicos representantes do país.

O porta-voz do secretário-geral da ONU, António Guterres, afirmou esta semana que ainda estão a decorrer discussões sobre as modalidades desta terceira reunião.

No entanto, para que este processo seja verdadeiramente iniciado, "é essencial que as autoridades [afegãs] de facto participem em Doha", afirmou Rosa Otunbayeva, advertindo que "as elevadas expectativas não podem ser realisticamente satisfeitas numa única reunião".

"Nunca é demais sublinhar que este tipo de compromisso não é uma legitimação ou uma normalização. Só um compromisso através de uma posição internacional comum, coordenada e baseada em princípios pode constituir um forte incentivo para que as autoridades de facto aprovem políticas que permitam a reintegração [do Afeganistão] na comunidade internacional", insistiu a representante.

Leia Também: Mulheres afegãs vítimas de crimes contra a humanidade pelos talibãs

Recomendados para si

;
Campo obrigatório