Meteorologia

  • 12 JUNHO 2024
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 23º

Ucrânia. Finlândia autoriza uso de armas para atacar alvos em solo russo

A ministra dos Negócios Estrangeiros finlandesa afirmou hoje que a Ucrânia pode usar as armas doadas pela Finlândia para atacar alvos em território russo, porque a ONU reconhece o direito de um país atacado a defender-se do agressor.

Ucrânia. Finlândia autoriza uso de armas para atacar alvos em solo russo
Notícias ao Minuto

19:07 - 29/05/24 por Lusa

Mundo Ucrânia/Rússia

"A Finlândia não impôs quaisquer restrições concretas à sua ajuda material à Ucrânia, mas presume que o material será utilizado em conformidade com o Direito Internacional", declarou Elina Valtonen ao diário digital finlandês Uusi Suomi.

"A Rússia está a travar uma guerra de agressão ilegal na Ucrânia, e a Ucrânia tem o direito à autodefesa, segundo o artigo 51.º da Carta das Nações Unidas. Isso inclui também ataques a alvos militares no território do agressor que sejam necessários para a autodefesa", acrescentou Valtonen.

O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, anda há semanas a insistir numa 'luz verde' dos seus parceiros ocidentais para atacar o território russo com as respetivas armas, argumentando que não consegue proteger as populações do nordeste da Ucrânia quando a Rússia ataca do outro lado da fronteira e que Kiev não dispõe de sistemas de defesa antiaérea suficientes.

A chefe da diplomacia finlandesa emitiu estas declarações depois de o secretário-geral da NATO (Organização do Tratado do Atlântico-Norte, bloco de defesa ocidental), Jens Stoltenberg, ter instado os aliados a considerar a possibilidade de autorizar a Ucrânia a atacar a Rússia no território desta com armas ocidentais, o que vários países proibiram expressamente ao fornecerem armamento a Kiev.

Valtonen participará numa reunião informal dos ministros dos Negócios Estrangeiros da NATO em Praga, na quinta e na sexta-feira, para discutir o apoio militar à Ucrânia e preparar a cimeira da Aliança Atlântica em Washington, em julho.

"O apoio à Ucrânia estará no centro tanto desta reunião como da cimeira da NATO que se realizará em Washington. Para a Finlândia, é importante que a NATO envie a mensagem mais forte possível à Ucrânia sobre a continuidade do apoio", indicou o Ministério dos Negócios Estrangeiros de Helsínquia num comunicado.

A Rússia invadiu a Ucrânia a 24 de fevereiro de 2022, com o argumento de proteger as minorias separatistas pró-russas no leste e "desnazificar" o país vizinho, independente desde 1991, após a desagregação da antiga União Soviética, e que tem vindo a afastar-se do espaço de influência de Moscovo e a aproximar-se da Europa e do Ocidente.

A guerra na Ucrânia já provocou dezenas de milhares de mortos de ambos os lados, e os dois beligerantes mantêm-se irredutíveis nas suas posições territoriais e sem abertura para cedências negociais.

Os últimos meses foram marcados por ataques aéreos em grande escala da Rússia contra cidades e infraestruturas ucranianas, ao passo que as forças de Kiev têm visado alvos em território russo próximos da fronteira e na península da Crimeia, ilegalmente anexada em 2014.

Já no terceiro ano de guerra, as Forças Armadas ucranianas têm-se confrontado com falta de soldados e de armamento e munições, apesar das reiteradas promessas de ajuda dos aliados ocidentais.

Leia Também: Putin pede que Governo trabalhe "como combatem os soldados na Ucrânia"

Recomendados para si

;
Campo obrigatório