Meteorologia

  • 19 JUNHO 2024
Tempo
17º
MIN 13º MÁX 21º

Israel atribui incêndio em Rafah a explosão de munições do Hamas

O Exército israelita atribuiu hoje o incêndio que matou 45 pessoas num campo de deslocados em Tal al-Sultan, no oeste de Rafah, à explosão de munições armazenadas em instalações do movimento islamita palestiniano Hamas próximas das que bombardeou.

Israel atribui incêndio em Rafah a explosão de munições do Hamas
Notícias ao Minuto

17:30 - 28/05/24 por Lusa

Mundo Médio Oriente

"Foi um incidente devastador que não esperávamos que acontecesse. O nosso Exército lançou 17 quilos de explosivos, a quantidade mínima que os nossos aviões de combate podem lançar. As nossas munições, por si sós, não podem ter causado aquele incêndio devastador", declarou o porta-voz do Exército de Israel, Daniel Hagari, que insistiu que a investigação ainda não está concluída.

O ataque israelita, ocorrido no domingo à noite e cujos alvos eram alegadamente dois altos responsáveis do Hamas, foi condenado pela maior parte da comunidade internacional e classificado por Israel como "um trágico acidente", que se deu apesar de "todas as precauções tomadas para evitar danos à população civil não-envolvida e usando a quantidade mínima de explosivos".

"Foi uma das noites mais duras e terríveis desde que começou a ofensiva a Rafah", disse um deslocado em Tal al-Sultan, citado pela agência de notícias espanhola EFE.

Durante a madrugada, a artilharia israelita também efetuou disparos perto dos armazéns da UNRWA (Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina) no centro de Rafah, matando sete pessoas e ferindo 15, segundo fontes médicas palestinianas.

Além disso, mais 13 habitantes da Faixa de Gaza foram mortos horas depois noutro bombardeamento, às portas do hospital de campanha norte-americano entre Rafah e Khan Yunis, no sul daquele território palestiniano há oito meses palco de uma guerra de Israel contra o Movimento de Resistência Islâmica (Hamas), que ali se encontra no poder desde 2007.

A artilharia atacou com intensidade e sem aviso prévio esta e outras zonas alegadamente seguras, de onde Israel não tinha ordenado a retirada da população civil, tendo os respetivos tanques já entrado no centro da cidade de Rafah.

O Governo da Faixa de Gaza anunciou que, nas últimas 48 horas, pelo menos 72 pessoas deslocadas foram mortas em bombardeamentos de Israel a acampamentos de tendas improvisadas nos bairros do oeste de Rafah, até agora considerados seguros.

"Os ocupantes têm a intenção deliberada de continuar a cometer mais massacres contra civis e deslocados que fugiram ao horror dos assassínios e ataques, o que confirma a sua insistência no genocídio premeditado e deliberado, numa clara mensagem de desafio aos tribunais penais internacionais", declarou o Governo de Gaza num comunicado.

Israel iniciou a sua operação militar em Rafah a 06 de maio e, desde então, mais de um milhão de pessoas fugiram da cidade, que até então albergava cerca de 1,4 milhões de deslocados.

A comunidade internacional apelou a Israel para que não invadisse a cidade, para evitar uma catástrofe humanitária, mas o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, insistiu que era essencial para ganhar a guerra, uma vez que quatro batalhões do Hamas ali permaneciam entrincheirados.

A pedido da Argélia, o Conselho de Segurança da ONU convocou hoje uma reunião de emergência para abordar a ofensiva a Rafah, na sequência do ataque de domingo, e o Hamas instou o órgão executivo das Nações Unidas a tomar "medidas imediatas".

"A comunidade internacional e o Conselho de Segurança devem atuar de forma urgente e enérgica para pôr termo a estas violações flagrantes do Direito Internacional e para proteger os civis indefesos", declarou o movimento islamita palestiniano.

Israel declarou a 07 de outubro do ano passado uma guerra na Faixa de Gaza para "erradicar" o Hamas depois de este, horas antes, ter realizado em território israelita um ataque de proporções sem precedentes, matando mais de 1.170 pessoas, na maioria civis.

Classificado como organização terrorista pelos Estados Unidos, a União Europeia e Israel, o Hamas fez também 252 reféns, 124 dos quais permanecem em cativeiro e 37 morreram entretanto, segundo o mais recente balanço do Exército israelita.

A guerra, que hoje entrou no 235.º dia e continua a ameaçar alastrar a toda a região do Médio Oriente, fez até agora na Faixa de Gaza mais de 36.000 mortos e de 81.000 feridos e cerca de 10.000 desaparecidos, presumivelmente soterrados nos escombros, na maioria civis, de acordo com números atualizados das autoridades locais.

O conflito causou também quase dois milhões de deslocados, mergulhando o enclave palestiniano sobrepovoado e pobre numa grave crise humanitária, com mais de 1,1 milhões de pessoas numa "situação de fome catastrófica" que está a fazer vítimas - "o número mais elevado alguma vez registado" pela ONU em estudos sobre segurança alimentar no mundo.

Leia Também: Mais dois centros médicos fora de serviço em Gaza, diz o Hamas

Recomendados para si

;
Campo obrigatório