Meteorologia

  • 20 JULHO 2024
Tempo
25º
MIN 19º MÁX 27º

Centenas de feridos em mais uma noite de protestos na Nova Caledónia

Centenas de pessoas ficaram feridas nos protestos na Nova Caledónia, incluindo uma centena de polícias, anunciou hoje o ministro francês do Interior e dos Territórios Ultramarinos, Gérald Darmanin, depois de mais uma noite de tumultos no arquipélago.

Centenas de feridos em mais uma noite de protestos na Nova Caledónia
Notícias ao Minuto

08:20 - 15/05/24 por Lusa

Mundo Nova Caledónia

As circunstâncias em que uma pessoa morreu depois de baleada durante a noite de terça-feira para hoje continuam por esclarecer, acrescentou o governante, em declarações à rádio RTL.

Segundo disse, dezenas de "casas e empresas" foram queimadas na Nova Caledónia, nos protestos contra a revisão constitucional discutida no parlamento francês e criticada pelos separatistas daquele território francês do Pacífico Sul.

Na terça-feira, o Governo da Nova Caledónia pediu "razão e calma", após os motins que devastaram a capital na segunda-feira.

Os motins levaram o representante do Estado francês no arquipélago a decretar o recolher obrigatório durante o dia de terça-feira, assim como a proibir qualquer reunião, o porte de armas e a venda de álcool.

As autoridades também encerraram escolas secundárias e universidades. O aeroporto internacional foi igualmente fechado e a companhia aérea de bandeira da Nova Caledónia -- Aircalin - suspendeu todos os voos marcados para terça-feira.

Os tumultos eclodiram na segunda-feira, à margem de uma manifestação pró-independência contra uma revisão constitucional que visa alargar o eleitorado para as eleições provinciais.

A atual Constituição da França limita o eleitorado aos inscritos nas listas para o referendo de autodeterminação de 1998 e aos seus descendentes, excluindo um em cada cinco potenciais eleitores, incluindo os que chegaram depois de 1998 e muitos habitantes nativos da Nova Caledónia.

O ministro francês do Interior e dos Territórios Ultramarinos, Gérald Darmanin, que propôs a revisão, disse que esta disposição "já não está em conformidade com os princípios da democracia" e "conduz ao absurdo".

Os separatistas da Nova Caledónia, um arquipélago com 270 mil habitantes, descrevem a reforma como uma tentativa de "marginalizar ainda mais o povo indígena Kanak", que representava 41,2% da população da ilha em 2019.

Leia Também: Governo da Nova Caledónia pede calma após violentos motins

Recomendados para si

;
Campo obrigatório