Meteorologia

  • 13 JUNHO 2024
Tempo
22º
MIN 14º MÁX 25º

Força Aérea de Kyiv pede 25 sistemas Patriot para travar bombardeamentos

A Ucrânia precisa de 25 sistemas de mísseis Patriot para proteger as cidades do país, disse hoje o porta-voz da Força Aérea de Kyiv, após mais uma campanha de ataques russos em grande escala contra infraestruturas energéticas.

Força Aérea de Kyiv pede 25 sistemas Patriot para travar bombardeamentos
Notícias ao Minuto

17:54 - 11/04/24 por Lusa

Mundo Ucrânia

"A Ucrânia precisa de 25 sistemas de defesa aérea Patriot que possam proteger as nossas cidades de ataques inimigos", afirmou Illia Yevlash, citado pela agência Ukrinform, num 'briefing' com a imprensa, dando conta da necessidade de outros recursos, como sistemas portáteis que possam ser usados por grupos militares móveis.

Segundo o porta-voz, na última noite as forças russas usaram "quase todo o tipo de mísseis disponíveis", incluindo os poderosos mísseis hipersónicos Kh-47 Kinzhal, além de 'drones' (aparelhos aéreos não tripulados), que são muitas vezes disparados para "distrair" as defesas antiaéreas, antes do recurso a armamento mais potente.

"Infelizmente, ainda não somos capazes de repelir totalmente estes ataques inimigos, porque para isso precisamos de sistemas que já provaram a sua eficácia muitas vezes e já os utilizámos", referiu Illia Yevlash, insistindo nos sistemas Patriot: "Precisamos deles hoje para lutar contra estes ataques combinados".

O porta-voz da Força Aérea disse que é necessário desenvolver todo o sistema de defesa aérea de alto escalão, que inclua equipamentos de curto, médio e longo alcance com o apoio de caças.

A Rússia levou a cabo desde o passado mês de março uma campanha agressiva de bombardeamentos contra o sistema energético ucraniano, afetando gravemente a capacidade de geração elétrica do país, ao mesmo tempo que tem visado sobretudo cidades e localidades no nordeste, incluindo Kharkiv, a segunda maior cidade ucraniana.

Nos seus múltiplos ataques, a Rússia deu mais um passo hoje de manhã no seu objetivo de colapsar o sistema elétrico ucraniano ao destruir uma infraestrutura energética chave na até recentemente inexpugnável região de Kyiv.

Segundo confirmou a empresa responsável pela infraestrutura, Centrenergo, os mísseis russos destruíram "completamente" a capacidade de geração de eletricidade da central térmica de Trypillia, a cerca de 45 quilómetros a sul da capital ucraniana.

Esta infraestrutura da Centrenergo - que perdeu toda a sua capacidade de produção com a recente destruição de outra das suas centrais térmicas na região nordeste de Kharkiv - era o principal fornecedor de eletricidade nas regiões centrais de Kyiv, Jitomir e Cherkasy.

Na última noite, nenhum dos seis mísseis Kinzhal lançados pela Rússia foi abatido pelas defesas da Ucrânia, segundo o relatório diário da Força Aérea de Kyiv, que também relata o uso de 20 mísseis de cruzeiro Kh-101 e Kh-555, 12 mísseis antiaéreos S-300, quatro mísseis teleguiados Kh-59 e 40 'drones kamikaze' iranianos Shahed.

Do total de 42 mísseis, as defesas aéreas ucranianas conseguiram intercetar 18, bem como 39 dos 40 'drones' lançados pela Rússia.

O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, voltou hoje a pedir aos aliados o envio urgente de sistemas de defesa aérea adicionais para poder proteger as infraestruturas críticas do país, ao mesmo tempo que as forças terrestres continuam a enfrentar falta de munições para conter as investidas russas no leste da Ucrânia.

Na quarta-feira, o alto representante da União Europeia para a Política Externa, Josep Borrell, e o ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia, Dmytro Kuleba, falaram sobre os esforços de Bruxelas para o envio de mísseis Patriot para Kyiv, com vista a reforçar os seus sistemas de defesa aérea devido à falta de ajuda norte-americana.

Numa entrevista hoje divulgada pelo jornal Washington Post, o chefe da diplomacia ucraniana afirmou que Kyiv identificou mais de 100 sistemas de defesa aérea Patriot disponíveis em posse dos aliados, pedindo a transferência de pelo menos sete, um número bastante abaixo do que hoje foi apontado pelo porta-voz da Força Aérea.

"Sinto vontade de bater na parede. Só não entendo por que isso não está a acontecer", declarou.

A ofensiva militar russa no território ucraniano, lançada a 24 de fevereiro de 2022, mergulhou a Europa naquela que é considerada a crise de segurança mais grave desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Leia Também: Hungria garante esforço mas rejeita perder voz na presidência da UE

Recomendados para si

;
Campo obrigatório