Meteorologia

  • 12 ABRIL 2024
Tempo
27º
MIN 15º MÁX 27º

Desertor assassinado? "Para um cão, uma morte de cão", atira Medvedev

Maxim Kuzminov, piloto russo que desertou para se entregar ao Exército ucraniano, foi assassinado em Espanha. Medvedev não lamenta a morte.

Desertor assassinado? "Para um cão, uma morte de cão", atira Medvedev
Notícias ao Minuto

20:12 - 21/02/24 por Notícias ao Minuto com Lusa

Mundo Guerra na Ucrânia

O antigo presidente da Rússia e atual vice-presidente do Conselho de Segurança daquele país, Dmitry Medvedev, não vê razões para lamentar a morte de Maxim Kuzminov, piloto russo que desertou para se entregar ao Exército ucraniano com o helicóptero que pilotava e que foi recentemente encontrado morto em Espanha, avança a agência estatal Russa TASS. 

"Para um cão, uma morte de cão", afirmou Medvedev numa entrevista aos meios de comunicação social russos, segundo cita a agência. 

Medvedev recusou ainda comentar a forma como Kuzminov morreu. "Disse tudo o que queria dizer", declarou.

O russo, de 28 anos, recorde-se, foi baleado cinco vezes, no passado dia 13 de fevereiro, numa garagem da urbanização La Cala de la Vila, uma zona residencial onde vivem cerca de oito mil pessoas, a maioria das quais estrangeiros, segundo noticiou a imprensa espanhola.

Os vizinhos acreditam que o piloto russo estava na região há apenas alguns dias, uma vez que ninguém o conhecia.

Junto ao corpo, foi encontrada documentação falsa com as impressões digitais de Kuzminov, que lhe atribuíam nacionalidade ucraniana e 33 anos de idade.

A morte foi confirmada pelo representante dos serviços secretos militares ucranianos (GUR), Andri Yusov. 

Segundo a fonte do GUR, Kuzminov optou por viver em Espanha em vez de se fixar na Ucrânia.

A deserção do russo foi divulgada em setembro passado quando o GUR ucraniano publicou imagens onde o piloto indicava como foi contactado pelos serviços secretos militares inimigos, que lhe ofereceram a deserção para o lado ucraniano a troco de dinheiro e proteção.

O vídeo demonstra Kuzminov a aterrar ao comando do seu helicóptero Mi-8 numa base militar da região de Kharkiv, leste da Ucrânia e junto à fronteira com a Rússia.

Na ocasião, e segundo referiu Kirilo Budanov, então chefe do GUR ucraniano, Kuzminov cruzou a fronteira voando a baixa altitude, para escapar à deteção de radares, juntamente com outros membros da tripulação que não sabiam dos planos do piloto, e que foram mortos quando tentaram fugir após a aterragem.

Nas suas declarações, Budanov também assegurou que a inteligência militar ucraniana conseguiu retirar da Rússia a família do piloto desertor.

A ofensiva militar russa no território ucraniano, desencadeada em 24 de fevereiro de 2022, mergulhou a Europa naquela que é considerada a crise de segurança mais grave desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Os aliados ocidentais da Ucrânia têm fornecido armas a Kyiv e aprovado sucessivos pacotes de sanções contra interesses russos para tentar diminuir a capacidade de Moscovo de financiar o esforço de guerra.

Leia Também: Desertor russo morto com 5 tiros em Espanha, onde passava "despercebido"

Recomendados para si

;
Campo obrigatório