Meteorologia

  • 18 ABRIL 2024
Tempo
21º
MIN 16º MÁX 25º

Partidos políticos do Paquistão negoceiam alianças pós-eleitorais

As principais forças políticas do Paquistão vão reunir-se hoje para negociar alianças com vista à formação de um governo, depois de nenhum partido ter conseguido a maioria nas eleições gerais de quinta-feira.

Partidos políticos do Paquistão negoceiam alianças pós-eleitorais
Notícias ao Minuto

09:27 - 12/02/24 por Lusa

Mundo Paquistão

O Partido Popular do Paquistão (PPP), em terceiro lugar, vai reunir-se hoje para decidir sobre a possível aliança com o Pakistan Tehreek-e-Insaf (PTI) do antigo presidente Imran Khan, que se encontra na prisão, e com a formação rival, a Liga Muçulmana (PML-N) de Nawaz Sharif que foi primeiro-ministro durante três mandatos.

"A reunião do comité executivo central do Partido Popular do Paquistão realiza-se hoje, às 19h00 (14h00 em Lisboa) para decidir o futuro do partido", disse à agência de notícias espanhola EFE o porta-voz do PPP, Hafiz Naeem.

Os 54 lugares conquistados pelo partido do antigo ministro dos Negócios Estrangeiros Bilawal Bhutto-Zarzadi, filho de Benazir Bhutto (1953-2007), são fundamentais tanto para Nawaz Sharif, que elege 75 deputados, como para os quase 100 independentes eleitos e que são apoiados por Khan.

Com estes votos, as duas forças rivais ultrapassam os 133 lugares necessários para formar um governo.

O PPP reuniu-se no domingo na cidade de Lahore com os dirigentes do PML-N para discutir a situação geral do país.

"Os líderes concordaram em cooperar politicamente para conduzir o país à estabilidade política", afirmaram as duas forças numa declaração conjunta.

Entretanto, uma equipa de advogados e dirigentes do PTI vai reunir-se com Khan na prisão de Rawalpindi, onde o antigo presidente se encontra desde agosto do ano passado, para discutir a estratégia do partido após as eleições gerais.

"Embora a decisão final seja de Imran Khan, é improvável que seja feita uma aliança com o PPP", disse à EFE o porta-voz do PTI, Ahmed Janjua.

Os meios de comunicação social locais indicam que Nawaz Sharif admite entregar a liderança das negociações ao irmão, o antigo primeiro-ministro Shehbaz Sharif.

A lei paquistanesa estipula que os membros eleitos devem reunir-se no prazo de 21 dias após a eleição, exceto se forem convocados pelo chefe de Estado.

Leia Também: Paquistão. Polícia usa gás lacrimogéneo contra manifestantes pró-oposição

Recomendados para si

;
Campo obrigatório