Meteorologia

  • 02 MARçO 2024
Tempo
13º
MIN 10º MÁX 14º

China alerta na ONU que ataques no Médio Oriente podem "devorar a região"

O chefe da diplomacia chinesa, Wang Yi, alertou hoje que o reacendimento dos combates entre Israel e Hamas poderá levar a um desastre capaz de "devorar toda a região", apelando a que a atual trégua conduza a um cessar-fogo.

China alerta na ONU que ataques no Médio Oriente podem "devorar a região"
Notícias ao Minuto

18:29 - 29/11/23 por Lusa

Mundo Israel/Palestina

"O reacendimento dos combates apenas se transformaria muito provavelmente numa calamidade que devoraria toda a região", disse Wang Yi, ao presidir uma reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU) sobre a situação em Gaza.

A China, que tem apoiado uma solução de dois Estados, espera que a trégua em curso possa levar a "um cessar-fogo abrangente e duradouro".

"O atual conflito israelo-palestiniano conduziu a uma enorme perda de vidas inocentes e a um desastre humanitário sem precedentes. Os seus efeitos colaterais ainda estão a emergir. Os testes de guerra, a consciência da humanidade e a justiça e a paz apelam à nossa racionalidade e sabedoria", instou.

De acordo com o diplomata, a história entre a Palestina e Israel ao longo de décadas mostrou repetidamente que recorrer a meios militares não é uma saída, e "abordar a violência com violência apenas conduzirá a um ciclo vicioso e incessante".

"A China espera firmemente que os últimos dias de trégua não constituam um hiato antes de uma nova fase desta ofensiva, mas sim o início de novos esforços diplomáticos para um cessar-fogo abrangente e duradouro (...) como uma prioridade absoluta", reforçou.

Contudo, na mesma reunião e contrariando os apelos feitos pela maioria dos Estados-membros presentes na sessão, Israel opôs-se a um cessar-fogo permanente em Gaza, argumentando que servirá apenas para sustentar o "reinado de terror do Hamas".

"Quem apoia um cessar-fogo está basicamente a apoiar a continuação do reinado de terror do Hamas em Gaza", avaliou o embaixador israelita junto à, Gilad Erdan.

Na presença de vários ministros dos Negócios Estrangeiros, o chefe da diplomacia chinesa apresentou ainda uma proposta de solução para o conflito israelo-palestiniano, que assenta na implementação de um cessar-fogo abrangente e o fim dos combates, a proteção dos civis, a garantia efetiva da assistência humanitária, o reforço da mediação diplomática, e uma solução política através da implementação da solução de dois Estados.

Além disso, Pequim apoiou a Palestina a tornar-se "membro de pleno direito das Nações Unidas", num momento em que mantém, desde 2012, o estatuto de Estado-observador.

O papel da China nas negociações israelo-palestinianas tem sido diminuta, com os Estados Unidos a assumirem esse papel durante décadas. Contudo, desde a mais recente escalada, Pequim tem sido das vozes mais ativas dentro do Conselho de Segurança.

A embaixadora norte-americana nas Nações Unidas, Linda Thomas-Greenfield, aproveitou a reunião para enfatizar os esforços de Washington, juntamente com os aliados do Médio Oriente, para aliviar a guerra atual, frisando que o "progresso acontece muitas vezes fora das paredes" do Conselho de Segurança.

"Colegas, estamos agora no sexto dia de pausa humanitária em Gaza. Uma pausa que, francamente, não teria sido possível sem a liderança do Qatar, do Egito e dos Estados Unidos", advogou, acrescentando que a posição dos Estados Unidos neste conflito tem sido pautada pela "diplomacia presidencial direta e pessoal".

"Os Estados Unidos instaram Israel a tomar todas as medidas possíveis para evitar vítimas civis enquanto exerce os seus direitos de salvaguardar o seu povo de atos de terror", disse ainda a diplomata, num momento em que crescem as críticas a Washington por apoiar Israel numa ofensiva que, segundo o Hamas, já matou mais de 15 mil pessoas em Gaza.

Thomas-Greenfield garantiu ainda que os Estados Unidos não descansarão até que todos os reféns detidos pelo Hamas sejam libertados.

Também o ministro das Relações Exteriores da Autoridade Nacional Palestina, Riyad al-Malki, esteve presente na reunião, tendo apelado para que "os massacres não sejam retomados", numa referência à trégua em vigor.

"O nosso povo enfrenta uma ameaça existencial. Não se deixem enganar com toda a conversa sobre a destruição de Israel, porque é a Palestina que está a ser alvo de um plano para a sua destruição", insistiu.

"Israel deveria estar convencido de que nenhuma força na Terra pode arrancar os palestinianos da Palestina", acrescentou.

[Notícia atualizada às 19h34]

Leia Também: MNE chinês vai a Nova Iorque para reunião da ONU sobre Gaza

Recomendados para si

;
Campo obrigatório