Meteorologia

  • 25 ABRIL 2024
Tempo
15º
MIN 13º MÁX 19º

Mulher acusada de ameaçar matar juíza que tem em mãos caso de Trump

Uma mulher foi detida no estado do Texas, no sul dos Estados Unidos, e acusada de ameaçar matar a juíza federal que tem em mãos o caso de conspiração eleitoral contra o ex-Presidente Donald Trump.

Mulher acusada de ameaçar matar juíza que tem em mãos caso de Trump
Notícias ao Minuto

07:33 - 17/08/23 por Lusa

Mundo Texas

De acordo com os registos de um tribunal de Houston, no Texas, Abigail Jo Shry ligou para o tribunal federal em Washington e deixou uma mensagem ameaçadora -- usando um termo racista para descrever a juíza Tanya Chutkan -- em 05 de agosto.

A acusação diz que Shry admitiu à polícia ter feito a chamada, na qual disse à juíza: "Está na nossa mira, queremos matá-la".

O ministério público alega ainda que a mulher ameaçou também matar a deputada Sheila Jackson Lee, uma democrata do Texas que está na corrida à autarquia de Houston, "se Trump não for eleito em 2024".

Apesar dos seus problemas com a Justiça, Donald Trump é o claro favorito para vencer as primárias Republicanas em 2024 e, assim, disputar com o atual Presidente, Joe Biden, a corrida à Casa Branca em novembro desse mesmo ano.

Na segunda-feira, Trump classificou a juíza Tanya Chutkan de "altamente partidária" e "muito tendenciosa e injusta" por comentários anteriores que fez num caso separado, em que condenou um dos réus acusados no ataque ao Capitólio de 06 de janeiro de 2021.

O ataque de Trump surgiu dias após a juíza ter alertado o republicano para não fazer declarações incendiárias sobre a acusação.

Numa audiência na sexta-feira, Chutkan impôs uma ordem de proteção no caso, limitando as provas entregues pelos procuradores que o ex-Presidente e a sua equipa jurídica podem divulgar publicamente.

A magistrada alertou os advogados de Trump de que a sua defesa deveria ser montada no tribunal e "não na internet".

Os procuradores pediram a ordem de proteção depois de chamarem a atenção para outra publicação anterior na rede social de Trump, na qual este disse que iria "atrás" daqueles que "vão atrás" de si.

Os procuradores disseram que a partilha imprópria de provas poderia ter um "efeito prejudicial sobre as testemunhas".

Chutkan disse que se alguém fizer declarações "incendiárias" sobre o caso, estaria inclinada a mover-se mais rapidamente para um julgamento para evitar qualquer intimidação de testemunhas ou influência no júri.

Ordens de proteção são algo comum em casos criminais para proteger a divulgação de informações confidenciais que possam afetar o julgamento.

Tanya Chutkan tem sido uma das juízas mais duras para com os manifestantes que invadiram o Capitólio norte-americano.

Juízes federais em Washington condenaram quase 600 réus pelos seus papéis no ataque, que foi alimentado pelas alegações infundadas de Donald Trump de que a eleição presidencial de 2020 foi ganha por Joe Biden com recurso a fraude.

Leia Também: Procuradora propõe início do julgamento de Trump na Geórgia para março

Recomendados para si

;
Campo obrigatório