Meteorologia

  • 03 MARçO 2024
Tempo
10º
MIN 9º MÁX 15º

Biden diz que reformas económicas vão "restaurar o sonho americano"

O presidente dos Estados Unidos da América (EUA), Joe Biden, defendeu hoje, durante um discurso em Chicago, as suas reformas económicas, que agora agrupa sob o nome de "Bidenomics", garantindo que vão "restaurar o sonho americano".

Biden diz que reformas económicas vão "restaurar o sonho americano"
Notícias ao Minuto

22:57 - 28/06/23 por Lusa

Mundo EUA

Num importante discurso económico em Chicago, o chefe de Estado afirmou que as suas políticas económicas salvarão "o sonho americano" do cidadão comum, após décadas de políticas Republicanas a favorecer os ricos.

"Estamos a fortalecer a classe média e queremos um crescimento que beneficie a todos", disse Biden.

"'Bidenomics' é sobre o futuro. 'Bidenomics' é apenas outra maneira de dizer: restaure o sonho americano", acrescentou.

De facto, a economia norte-americana melhorou constantemente ao longo do ano passado e o desemprego está perto de mínimos históricos, em 3,7%.

Também a inflação, que atormentou a Presidência de Biden, caiu para 4%, de um pico de 9,1% em junho passado. Mas os preços ainda sobem significativamente, uma preocupação para os eleitores e uma linha de ataque para a oposição Republicana e outros candidatos presidenciais.

Ao mesmo tempo, o líder Democrata tentou retratar as anteriores medidas Republicanas como profundamente falhas, advogando que apenas ajudaram os ricos, mas falharam com a classe média durante décadas, já que os prometidos benefícios "a conta-gotas" nunca pareciam chegar aos menos ricos.

A abordagem Republicana "falhou com a classe média, falhou com a América, fez explodir o défice, aumentou a desigualdade...e isso enfraqueceu a nossa infraestrutura, despojou a dignidade, o orgulho e a esperança das comunidades", disse.

"A 'Bidenomics' é o desejo de reconstruir completamente a economia em três eixos fundamentais: fazer investimentos públicos inteligentes na América; capacitar e educar os trabalhadores para o crescimento da classe média; e promover a competição para reduzir custos e ajudar empreendedores e pequenas empresas a prosperar", explicou.

A escolha de colocar a economia no centro da sua campanha é ousada e potencialmente arriscada para Joe Biden, enquanto aquela que é a maior economia do mundo ainda pode passar por uma recessão na segunda metade do ano.

E associar o seu nome a esta estratégia, ao promover a sua "Bidenomics", pode ser ainda mais arriscado tendo em conta a "Reaganomics", uma referência ao 'boom' económico dos anos 80 sob a presidência de Ronald Reagan e que continua a ser uma referência para os Republicanos.

No seu discurso em Chicago, Biden prometeu realizar algumas das maiores reformas sociais que defendeu durante a sua campanha para as eleições de 2020 e que acabaram paralisadas pelo facto de os Democratas não terem votos suficientes para aprová-las no Congresso.

Biden, aliás, o usou seu discurso para deixar claro que pretende continuar a lutar por impostos mais altos para os ricos e uma grande reforma que permita que crianças de três a cinco anos tenham acesso à educação gratuita, além de diminuir os altos custos que os norte-americanos pagam pela faculdade.

Leia Também: Gestão da economia dos EUA por Biden aprovada por apenas 34% da população

Recomendados para si

;
Campo obrigatório