Meteorologia

  • 26 FEVEREIRO 2024
Tempo
11º
MIN 10º MÁX 14º

HRW critica falta de acesso a serviços básicos na África do Sul

A Organização Não Governamental (ONG) Human Rights Watch (HRW) disse hoje que o Governo da África do Sul está a agravar o legado do 'apartheid' para milhares de pessoas ao não garantir o acesso a serviços básicos.

HRW critica falta de acesso a serviços básicos na África do Sul
Notícias ao Minuto

12:00 - 27/06/23 por Lusa

Mundo África do Sul

De acordo com um relatório publicado hoje, e citado pela agência espanhola de notícias, a EFE, a HRW critica a incapacidade do Governo para aplicar eficazmente a Lei das Pessoas Adultas", aprovada a seguir ao apartheid [regime segregacionista que vigorou no país entre 1948 e 1994], e proteger os direitos dos mais velhos e proporcionar-lhes serviços de apoio e ajuda comunitária e domiciliária.

Os mais de 5,5 milhões de pessoas com 60 anos ou mais que vivem na África do Sul "passaram pelo menos metade da sua vida debaixo do apartheid", salientou a HRW, destacando que "as políticas de segregação racial negaram à maioria da população negra, mestiça e indiana ou asiática um bom nível de educação, um trabalho decente e a possibilidade de poupar para a terceira idade".

Segundo a HRW, "o impacto cumulativo dessa discriminação racial continua a afetar as pessoas seniores na atualidade", o que é agravado pelas políticas do governo sul-africano.

Em causa está, defendem os ativistas, o agravamento da situação "devido às restrições do Governo sobre como se podem gastar os fundos, à falta de um sistema para determinar quem tem direito a receber cuidados e apoio, a excessiva dependência dos familiares, as disparidades entre os planos das diferentes entidades governamentais provinciais e o número insuficiente de trabalhadores sociais".

O desmantelamento da segregação racial na economia mais industrializada da África subsaariana não começou até meados da década de 90, e as primeiras eleições democráticas e multirraciais aconteceram em 1994, dando a vitória ao histórico Nelson Mandela.

De acordo com dados do Banco Mundial citados pela EFE, a África do Sul é o país mais desigual do mundo e as disparidades raciais são a principal causa da diferença que há nos salários, embora o género também seja importante, já que as mulheres recebem salários 38% inferiores aos dos homens.

Leia Também: UNECA defende financiamento "previsível" e "sustentável" para África

Recomendados para si

;
Campo obrigatório