Meteorologia

  • 20 JULHO 2024
Tempo
20º
MIN 20º MÁX 28º

Organismo internacional acusa Síria de uso de armas químicas contra Duma

Investigadores do organismo Prohibition of Chemical Weapons afirmaram hoje ter encontrado "vestígios suficientes" de que a Força Aérea da Síria usou gás cloro contra a cidade de Duma, em abril de 2018, matando 43 pessoas.  

Organismo internacional acusa Síria de uso de armas químicas contra Duma
Notícias ao Minuto

13:31 - 27/01/23 por Lusa

Mundo Síria

O relatório dos investigadores da Prohibition of Chemical Weapons (PCW) refere o que chama "última confirmação" de que o o regime do Presidente Bashar Al Assad lançou dois bidões com gás cloro contra a cidade.  

"O uso de armas químicas em Duma, e em outros locais, é inaceitável e vai contra a lei internacional", disse o diretor-geral da PCW, Fernando Arias. 

As autoridades de Damasco ainda não responderam às questões colocadas sobre o relatório final.

A Síria aderiu ao PCW em 2013 sob pressão internacional, após acusações sobre o uso de armas químicas durante a guerra civil no país, mas não reconheceu autoridade às equipas que investigaram os casos e nega reiteradamente o uso deste tipo de substâncias pelas Forças Armadas.  

Os especialistas internacionais acreditam que ainda "falta muito" para responsabilizar judicialmente o regime sírio.

O regime de Damasco é um aliado de longa data da Rússia e Moscovo bloqueou todos os esforços do Conselho de Segurança da ONU no sentido da criação de um Tribunal Especial para a Investigação de Crimes na Síria. 

"O mundo, agora, conhece os factos. Cabe à 'comunidade internacional' tomar uma ação, no âmbito do PCW ou em outros contextos", disse Fernando Arias, diplomata espanhol. 

O mesmo organismo já tinha sinalizado no passado a responsabilidade do regime sírio em três ataques com substâncias químicas em Latamneh, em março de 2017, e um outro em Saraqeb em fevereiro de 2018. 

A organização diz ter "bases suficientes" ("reasonable grounds to believe") - designação padrão de prova consistentemente usada pelos organismos internacionais de apuramento de factos e comissões de inquérito que investigam potenciais violações do direito internacional. 

O relatório que foi divulgado hoje "evidencia o padrão" e indica que, pelo menos um helicóptero Mi8/17 da Força Aérea de Damasco lançou dois bidões em Duma durante uma ofensiva governamental para reconquista da cidade. 

Segundo o documento, um dos bidões atingiu a cobertura de um edifício residencial de três andares expelindo "de forma rápida o gás tóxico (cloro) em grandes doses de concentração e que rapidamente atingiu todo o prédio matando 43 indivíduos e afetando dezenas de moradores".

O segundo bidão atingiu um outro edifício de apartamentos mas, neste caso, o cilindro só ficou parcialmente danificado tendo afetado "apenas" as primeiras pessoas que chegaram ao local. 

As autoridades sírias recusaram à equipa de investigação o acesso aos locais dos ataques com cloro, em Duma.

O país viu, por isso, suspensos os direitos de voto no quadro do PCW em 2021 como punição pela utilização repetida de gás tóxico, na primeira sanção deste tipo imposta a um Estado membro do organismo internacional.

Os investigadores que elaboraram o último relatório entrevistaram dezenas de testemunhas e analisaram o sangue e a urina dos sobreviventes assim como amostras do solo e de materiais de construção da zona de impacto. 

Os membros do PCW também avaliaram e, mais tarde, rejeitaram as "teorias alternativas" sobre os factos, incluindo a alegação da Síria de que o ataque foi encenado e que corpos de pessoas mortas noutros locais da Síria foram levados para Duma para "parecerem vítimas de um ataque com gás".

A equipa da PCW "considerou uma série de cenários possíveis e realizou testes às provas que foram reunidas para chegar à conclusão: As Forças Aéreas Árabes sírias são os autores deste ataque", disse hoje o organismo.

Os sobreviventes contactados pelos jornalistas da agência norte-americana de notícias Associated Press referiram-se ao "odor do cloro".

Outros civis, na maior parte ativistas de direitos humanos, disseram que muitos dos mortos foram encontrados com espuma à volta da boca, um indicador de asfixia.

Os médicos que estiveram no local relataram que trataram pessoas com dificuldades respiratórios.

Os Estados Unidos, o Reino Unido e a França responsabilizaram, na altura, as forças de Damasco, tendo lançado ataques aéreos de retaliação. 

Duma foi o último objetivo das forças governamentais durante a campanha de reconquista dos subúrbios de Damasco, ocupados pelos oposicionistas e grupos extremistas islâmicos durante sete anos e acabou por ser reconquistada após o ataque com gás cloro. 

Numa tentativa de assegurar a responsabilização por crimes na Síria, as Nações Unidas estabeleceram o "Mecanismo Internacional, Imparcial e Independente".

Este organismo está mandatado para preservar e analisar as provas de crimes e preparar processos para julgamentos em "tribunais nacionais, regionais ou internacionais que tenham ou possam no futuro ter jurisdição sobre estes crimes, de acordo com o direito internacional".

O conflito que começou na Síria há mais de uma década matou centenas de milhares de pessoas e provocou uma vaga de deslocados internos e refugiados no país, que antes da guerra, contava com 23 milhões de habitantes. 

Leia Também: França repatria mulheres e menores em campos de prisioneiros na Síria

Recomendados para si

;
Campo obrigatório