Meteorologia

  • 05 FEVEREIRO 2023
Tempo
10º
MIN 8º MÁX 18º

Kherson continua "vulnerável" a bombardeamentos russos

Os russos retiraram da cidade a 11 de novembro, mas continuam a atacá-la diariamente. Só no domingo foram 54 bombardeamentos.

Kherson continua "vulnerável" a bombardeamentos russos

Os ataques a Kherson continuam a acumular-se, mesmo após a retirada russa da cidade que ocupou durante nove meses. Segundo o Ministério da Defesa do Reino Unido, no relatório publicado esta segunda-feira, a cidade foi bombardeada 54 vezes no domingo, um novo máximo para a região.

No relatório matinal publicado diariamente pelos serviços secretos britânicos, através do Twitter, é referido que, só na passada quinta-feira, foram mortas fez pessoas devido aos ataques russos.

Para o Reino Unido. Kherson está "vulnerável porque continua ao alcance da maioria dos sistemas de artilheria russos, agora a disparar a partir da margem este do Rio Dnipro, atrás de linhas defensivas recentemente consolidadas".

"Muitos dos danos estão provavelmente a ser infligidos em Kherson pelo uso de muitos lançadores de 'rockets', principalmente por sistemas BM-21 Grad", acrescenta o relatório.

Também esta manhã, a organização norte-americana Institute for the Study of War (ISW, do inglês 'Institute for the Study of War') apontou para as posições defensivas russas em Kherson, considerando que os russos "claramente percecionam que as forças ucranianas podem atravessar o Rio Dnipro e conduzir operações contraofensivas a leste de Kherson, possivelmente ameaçando todas as linhas críticas de comunicação desde a Crimeia ao território russo".

Segundo apurou o ISW, e que também tem sido alertado por outras organizações internacionais, as forças invasoras estão a "cavar trincheiras e áreas de concentração", acreditando que a contraofensiva em direção à Crimeia surgirá eventualmente.

A cidade de Kherson esteve sob controlo russo durante praticamente nove meses de guerra, após ser tomada nos primeiros dias da invasão. Os ucranianos conseguiram finalmente libertar a cidade a 11 de novembro, após a retirada russa e, desde então, têm sido descobertas mais valas comuns e câmaras de tortura, sinais da presença da opressão russa na região.

As condições de vida na cidade continuam muito difíceis, com o acesso a luz e água potável a ser muito escasso, apesar dos esforços das forças ucranianas em restaurar as infraestruturas críticas na área.

O conflito na Ucrânia já fez quase 6.600 mortos civis, segundo os dados do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos. No entanto, a entidade adverte que o real número de mortos poderá ser muito superior, devido às dificuldades em contabilizar os mortos em zonas sitiadas ou ocupadas pelos russos, como em Mariupol, por exemplo, onde se estima que tenham morrido milhares de pessoas.

Leia Também: Pelo menos 32 mortos em Kherson desde retirada russa em 9 de novembro

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório