Meteorologia

  • 05 DEZEMBRO 2022
Tempo
13º
MIN 11º MÁX 16º

"Absurdo". Lukashenko sugere que fim da guerra está nas mãos da Ucrânia

A guerra na Ucrânia mergulhou a Europa na crise de segurança mais grave desde a Segunda Guerra Mundial.

"Absurdo". Lukashenko sugere que fim da guerra está nas mãos da Ucrânia
Notícias ao Minuto

14:12 - 24/11/22 por Notícias ao Minuto com Lusa

Mundo Guerra na Ucrânia

O presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, provocou a Ucrânia ao sugerir que o fim da invasão russa é responsabilidade da Ucrânia.

"Não que eu queira culpar Zelensky ou a Ucrânia, mas agora está tudo nas mãos na Ucrânia, se não quiserem que um grande número de pessoas morra. É difícil, mas se querem isso [fim da guerra], têm de parar. Porque caso contrário irá terminar com a completa destruição” do país, afirmou Lukashenko, num vídeo divulgado nas redes sociais.

As declarações do presidente bielorrusso criaram polémica, principalmente entre o Governo ucraniano.

O conselheiro do ministério dos assuntos internos da Ucrânia, Anton Gerashchenko, já reagiu e considerou que os comentários de Lukashenko são um "teatro do absurdo”.

Recorde-se que, na quarta-feira, a capital da Ucrânia foi um dos principais alvos da última onda de ataques a instalações de energia, que causaram os maiores estragos nas infraestruturas críticas do país em nove meses de guerra. Milhões de pessoas ficaram sem luz e foram necessários apagões de emergência para economizar e permitir reparações, essenciais com a chegada do inverno.

Também ontem o Parlamento Europeu declarou a Rússia como um "estado patrocinador do terrorismo”, considerando que os ataques militares contra alvos civis e contra a infraestrutura de energia, hospitais, escolas e abrigos ucranianos violam o direito internacional.

A guerra na Ucrânia mergulhou a Europa na crise de segurança mais grave desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Segundo a ONU, o conflito gerou mais de seis milhões de deslocados internos (pessoas que foram obrigadas a fugir do local habitual de residência, mas que permaneceram no país).

Também provocou mais de 7,8 milhões de refugiados, que se encontram maioritariamente em países europeus.

Leia Também: Parlamento Europeu declara Rússia como Estado patrocinador do terrorismo

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório