Meteorologia

  • 24 JUNHO 2024
Tempo
23º
MIN 17º MÁX 29º

Madagáscar investiga comércio de líchias após suspeitas de corrupção

O poder judicial de Madagáscar anunciou hoje que abriu uma investigação sobre o comércio de líchias no país, um dos maiores produtores mundiais, após um relatório sobre suspeitas de corrupção e branqueamento de dinheiro.

Madagáscar investiga comércio de líchias após suspeitas de corrupção
Notícias ao Minuto

19:13 - 11/11/22 por Lusa

Mundo Madagáscar

"Reconhecemos a receção desta denúncia", "abrimos uma investigação e deixamos os frutos desta investigação ditar o que acontece a seguir", disse Solohery Razafindrakoto, promotor público do centro anticorrupção de Antananarivo.

"O passo seguinte é agora da competência soberana do procurador de justiça malgaxe", disse o ministro da Justiça malgaxe, François Rakotozafy.

Madagáscar é o principal fornecedor de líchias - uma fruta tropical - à União Europeia, de acordo com o Centro de Promoção das Importações (CPI), um organismo europeu. A maioria das líchias malgaxes chegam às prateleiras francesas.

Em 2019, a Big Island exportou perto de 25.000 toneladas de líchias, de acordo com os números do CPI.

Mas a organização não-governamental Transparência Internacional "encontrou provas de numerosos delitos potenciais, incluindo corrupção transnacional, acordos ilícitos, evasão fiscal, branqueamento de capitais e ocultação destes delitos", disse Dominique Rakotomalala, presidente do conselho de administração da filial da ONG em Madagáscar.

"Durante mais de uma década, um punhado de indivíduos tem exercido um estrangulamento sobre as exportações da líchia de Madagáscar, sem transparência ou responsabilidade", acrescentou.

"São os operadores próximos do governo que monopolizam a maior parte" das exportações, acrescentou Ketakandriana Rafitoson, diretor executivo do ramo Madagáscar da Transparência Internacional.

Os documentos enviados ao sistema judicial malgaxe apontam o dedo a duas empresas francesas, cujos nomes não foram divulgados, por um lado, e a organizações malgaxes que exportam para a União Europeia, por outro. A Transparency International também levou o caso aos tribunais franceses.

De acordo com a ONG, o sistema instaurado prejudicou os interesses dos pequenos produtores, mas também dos consumidores europeus, que pagaram mais por um produto de menor qualidade.

Madagáscar, uma antiga colónia francesa, é um dos países mais pobres do mundo, com 78% dos seus 28 milhões de habitantes vivem na pobreza, de acordo com a UNICEF.

Leia Também: República do Chipre do Norte em organização turcófona causa polémica

Recomendados para si

;
Campo obrigatório