Meteorologia

  • 29 NOVEMBRO 2022
Tempo
16º
MIN 8º MÁX 17º

Mais de 50 ONG pedem à UE anulação do Conselho de Associação com Israel

Mais de 50 organizações não governamentais (ONG) palestinianas e europeias enviaram hoje uma carta às autoridades comunitárias a pedir a anulação do Conselho de Associação da União Europeia (UE) com Israel, que "intensificou os ataques contra" a Palestina.

Mais de 50 ONG pedem à UE anulação do Conselho de Associação com Israel
Notícias ao Minuto

23:59 - 26/09/22 por Lusa

Mundo Ataques

O documento é dirigido aos ministros dos Negócios Estrangeiros dos 27 Estados-membros e ao Alto Representante da UE para a Política Externa e de Segurança, Josep Borrell, e é assinada por 23 organizações palestinianas e 37 europeias da sociedade civil, expressando a sua "profunda preocupação com a decisão de renovar o Conselho Associação, que procura retomar o diálogo formal, fortalecer a cooperação com Israel e incorporar os problemáticos Acordos de Abraão".

"O Conselho de Associação -- que vai organizar os contactos bilaterais -- normalizará ainda mais as práticas autoritárias e opressoras, em vez dos valores democráticos e dos direitos humanos promovidos pela UE, e vai continuar a ignorar as violações implantadas do direito internacional que estão a ser cometidas contra o povo palestiniano", dizem os signatários.

As ONG lembram que até agora em 2022 mais de 140 palestinianos foram mortos por israelitas, "sem ninguém ser responsabilizado", denunciando a última escalada em Gaza e os "ataques ilegais" nas áreas de Nablus e Jenin, no norte da Cisjordânia ocupada, nos mais de uma centena de pessoas morreram, incluindo a jornalista Shireen Abu Akleh.

As organizações também acusaram a presidente da Comissão Europeia, Von der Leyen, de "dois padrões", que afirmou durante a sua visita ao país judeu, em junho, que a "cultura e os valores partilhados criaram uma conexão profunda entre a Europa e Israel".

Após a visita, os ministros dos Negócios Estrangeiros dos 27 acordaram em voltar a reunir o Conselho de Associação, suspenso desde 2012, em data ainda a definir.

"Os princípios e valores fundamentais de liberdade e justiça que moldaram a ordem internacional e adotados pela UE devem ser aplicados e mantidos em todos os lugares", indicam na carta, que também menciona a expulsão de 1.300 palestinianos em oito comunidades de Masafer.

"A UE continua a ser o maior parceiro comercial de Israel e, ao permitir que empresas, governos e instituições financeiras europeias continuem a negociar com empresas ilegais de colonatos israelitas, não apenas mantém, mas incentiva a própria existência desses crimes de guerra, financiando ainda mais o roubo israelita de propriedades palestinianas (...) e recursos naturais", alegam as ONG.

Leia Também: Líder palestiniano acusa Israel de sabotar solução de dois Estados

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório