Meteorologia

  • 04 OUTUBRO 2022
Tempo
30º
MIN 15º MÁX 31º

Soldado ucraniano de licença. "Posso até ter uma hipótese de regressar"

Um militar está agora na Polónia, porém, vai regressar ao campo de batalha. À Reuters, fez um balanço destes quase seis meses de guerra.

Soldado ucraniano de licença. "Posso até ter uma hipótese de regressar"

Quase seis meses depois de as tropas russas invadirem a Ucrânia continuam a haver histórias por contar. Se há uns meses estes testemunhos eram quase apenas sobre aquilo que se passava no campo de batalha e nas cidades invadidas, hoje chegam histórias de soldados que já estão noutros países e que se encontram de licença.

É o caso de Dmytro Divzhenko, um soldado ucraniano que está na Polónia com a família, onde vivia desde 2019 - até ter que combater pela Ucrânia.

"Não tenho a certeza, mas posso até ter uma hipótese pequena de regressar [outra vez] para a minha esposa e filhos. Mas este trabalho tem que ser feito", contou à Reuters, explicando que aproveitou esta licença para mimar a mulher, Oleksandra, e os filhos - antes de voltar para a frente de batalha, onde é cozinheiro.

À Reuters o soldado, de 41 anos, conta que viu algumas coisas em Kherson, região que está agora controlada pelos russos e onde está previsto um referendo para a anexação da região à Rússia. O homem lembra, no entanto, como foi ver algumas das vítimas de Bucha, e, de acordo com a Reuters, este soldado gravou as imagens de cadáveres de vítimas de todas as idades após a recolha dos corpos pelas autoridades ucranianas.

Em Irpin, onde também morreram imensos  civis às mãos das tropas russas, Divzhenko lembra-se de um episódio com uma mulher e o seu filho, que tenta esquecer a toda a força. "A criança estava amarrada à mãe e depois explodiram", conta.

A 'calma' do país vizinho

O soldado conto ainda que quando está na Polónia estranha a diferença e pensa em como algo como ver as pessoas a passear na rua é agora bizarro para ele.

"Estava a conduzir e um helicóptero sobrevoou-nos - talvez fosse a polícia ou uma ambulância, não sei", começa por contar, acrescentando: "Quase tive um acidente, porque se vires um helicóptero na Ucrânia significa que estás prestes a combater", notou.

Dmytro Divzhenko não é um estreante em combate, já que quando se deu anexação da Crimeia, ele foi um dos que se opôs e lutou para que isso não acontecesse - mas agora, conta o soldado, esta luta é bem mais agressiva.

"Costuma haver uma linha de batalha - o nosso país era aqui e havia uma delineação legal. Agora não há uma linha. E todos os mísseis, os tiros, tudo o que a Rússia a usar não usava antes", referiu.

O ucraniano teceu ainda algumas críticas a vozes ocidentais, que se dizem "preocupadas". "Se estão preocupados, podemos trocar de lugar. Convido-os para irem até Kharkiv ou Mykolaiv. Essa preocupação será muito mais precisa lá". E repetiu aquilo que os líderes ucranianos têm vindo a dizer há quase seis meses: "Precisamos de mais armas".

Leia Também: Presidente da Bielorrússia nega ter planos para atacar ucranianos

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório