Meteorologia

  • 26 SETEMBRO 2022
Tempo
24º
MIN 14º MÁX 25º

Chade. Presidente da UA "sente" vontade de diálogo no governo transitório

O presidente em exercício da União Africana (UA) e chefe de Estado do Senegal, Macky Sall, disse hoje ter "sentido" o desejo de diálogo nacional da parte do governo de transição do Chade durante a sua visita a N'Djamena.

Chade. Presidente da UA "sente" vontade de diálogo no governo transitório
Notícias ao Minuto

18:01 - 16/08/22 por Lusa

Mundo Chade

"A paz é sempre possível entre atores de boa vontade. Senti essa vontade do Presidente Mahamat Idriss Déby e encorajo-o", disse Sall, citado pela imprensa chadiana.

Sall assegurou que a UA "apoiará o Chade" e exortou a comunidade internacional a fazer o mesmo quando este país se preparar para iniciar um diálogo nacional em 20 de agosto em N'Djamena, no qual participam Governo, grupos rebeldes, partidos políticos, sociedade civil e sindicatos.

Nesse sentido, o presidente da UA exortou os grupos armados que não assinaram o acordo de paz em Doha (Qatar) entre a junta militar e mais de 40 grupos rebeldes em 08 de agosto a aderirem ao diálogo nacional, para que "as conclusões sejam as melhores para o Chade e África".

Para Sall, a transição chadiana desde a morte em abril de 2021 do Presidente Idriss Déby, que governou o país durante 30 anos, está a ter uma "evolução positiva".

Além disso, encorajou Déby - filho do ex-presidente -, a manter-se no caminho do diálogo por ser "a melhor opção".

Sall chegou a N'Djamena na segunda-feira depois de visitar o Mali, onde se reuniu com o presidente da junta militar que governa o país, coronel Assimi Goita, com quem debateu o processo de transição e cooperação entre o Senegal e o Mali.

O presidente da UA também visitará o Gabão nesta deslocação a vários países africanos.

O Chade planeia iniciar um diálogo de reconciliação nacional em 20 de agosto, que desde fevereiro vinha sendo repetidamente adiado.

Desde meados de março que o Qatar acolhe um processo de pré-diálogo com mais de 1.300 participantes no qual as autoridades do país árabe foram mediadoras, após a recusa de alguns grupos rebeldes em dialogar diretamente com o governo de transição.

No âmbito dessas conversações, foi assinado em 08 de agosto um acordo de paz entre a junta militar chadiana e 42 grupos rebeldes.

O Chade está sob o poder do Conselho Militar de Transição (CMT) desde a morte em abril de 2021 do Presidente Idriss Déby Itno - que governava o país desde 1990 - durante confrontos violentos entre rebeldes e o Exército chadiano.

Depois de tomar o poder, a CMT, liderada por Mahamat Idriss Déby -- de 38 anos e filho do ex-presidente - anulou a Constituição e dissolveu o Governo e o parlamento.

No entanto, Déby prometeu realizar eleições livres e democráticas no prazo de 18 meses, após a realização de um "diálogo nacional inclusivo" com toda a oposição política e os numerosos grupos rebeldes.

Desde o início, o líder da CMT contou com o apoio da comunidade internacional, liderada pela França, União Europeia e UA, já que o Exército do Chade é um dos pilares da guerra contra grupos fundamentalistas islâmicos da região do Sahel, juntamente com as tropas francesas da missão Barkhane.

Leia Também: Ligações à Internet no Chade restauradas após cinco horas de perturbações

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório