Meteorologia

  • 25 SETEMBRO 2022
Tempo
17º
MIN 16º MÁX 24º

Cimeira da CEDEAO discute sanções a Mali, Burkina Faso e Guiné-Conacri

Os dirigentes da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) reúnem-se no domingo em Acra para uma cimeira em que deverão ser aprovadas sanções relativas aos golpes de Estado ocorridos no Mali, Guiné-Conacri e Burkina Faso.

Cimeira da CEDEAO discute sanções a Mali, Burkina Faso e Guiné-Conacri
Notícias ao Minuto

12:56 - 01/07/22 por Lusa

Mundo África

Os dirigentes, que querem pressionar para um regresso rápido dos civis ao poder, vão discutir as fortes medidas de retaliação comercial e financeira impostas ao Mali desde janeiro e outras, mais leves, impostas ao Burkina Faso e à Guiné-Conacri.

O Mali, um país pobre e sem litoral que enfrenta um conflito há mais de uma década, está sujeito a um embargo às transações comerciais e financeiras, excluindo as necessidades básicas.

O Burkina Faso, outro país do Sahel afetado pela violência 'jihadista', e a Guiné-Conacri estão apenas, por enquanto, suspensos dos órgãos da CEDEAO.

Mas as juntas militares no poder querem manter-se durante três anos, arriscando-se a um endurecimento das sanções.

A junta no poder no Mali está há meses em negociações com a organização regional, mas as partes ainda não conseguiram chegar a um compromisso.

Na última cimeira, em 04 de junho, não foi tomada qualquer decisão sobre as sanções contra os regimes golpistas e a CEDEAO deu-se mais um mês para negociar e acordar o levantamento ou a manutenção das penas.

Entretanto, o mediador Goodluck Jonathan, antigo presidente da Nigéria, chegou hoje a Bamako para se reunir com as autoridades militares, e embora nada tenha sido dito oficialmente, um membro da sua equipa disse à agência France-Presse (AFP) que "o Mali fez enormes progressos".

As autoridades anunciaram na quarta-feira um calendário eleitoral que prevê presidenciais em fevereiro de 2024, referendo constitucional em março de 2023, e legislativas em outubro ou novembro de 2023.

Este processo completa a adoção, em 17 de junho, de uma nova lei eleitoral.

Todos esses passos são pré-requisitos essenciais para a CEDEAO levantar as sanções impostas ao país em 9 de janeiro.

Um potencial ponto de bloqueio das negociações poderá ser a possibilidade, prevista na nova lei eleitoral, de uma candidatura de um militar às eleições presidenciais.

A cimeira de domingo é vista com esperança nas ruas de Bamako, diz a AFP, porque as sanções são fortemente sentidas na economia maliana, já antes afetada por dez anos de conflito.

A África Ocidental viu uma sucessão de golpes de Estado em menos de dois anos: o golpe de 18 de agosto de 2020 em Bamako, um segundo em 24 de maio de 2021, o golpe de 05 de setembro de 2021 em Conacri, e o golpe de 24 de janeiro em Ouagadougou.

Alarmada pelo risco de contágio numa região vulnerável, a CEDEAO tem multiplicado as suas cimeiras, mediações e pressões para acelerar o regresso dos civis ao poder.

Para o Burkina Faso, a organização nomeou um mediador, apesar da sua "preocupação" com os 36 meses previstos para a transição.

"Estamos na via do compromisso", disse à AFP um diplomara da região.

O mediador, o antigo presidente do Níger Mahamadou Issoufou, deverá deslocar-se hoje a Ouagadougou, onde lhe deverá ser apresentado um calendário eleitoral, já apresentado na quarta-feira pela junta aos partidos.

Na Guiné-Conacri, que até agora rejeitou a ida ao país de um mediador, a junta anunciou uma transição de 36 meses, prazo considerado "impensável" segundo o chefe de Estado do Senegal, Macky Sall, presidente em exercício da União Africana.

"A CEDEAO deve tomar medidas", avisou.

Leia Também: França abre inquérito para apurar apoio da Castel a rebeldes na RCA

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório