Meteorologia

  • 04 JULHO 2022
Tempo
18º
MIN 16º MÁX 28º

AO MINUTO: Rússia? "Terrorista"; Prisioneiros ucranianos torturados?

Acompanhe aqui AO MINUTO os mais recentes desenvolvimentos sobre a guerra na Ucrânia.

AO MINUTO: Rússia? "Terrorista"; Prisioneiros ucranianos torturados?
Notícias ao Minuto

07:19 - 28/05/22 por Notícias ao Minuto

Ao Minuto Mundo Guerra na Ucrânia

Três meses após o início da invasão russa sobre a Ucrânia, o conflito centra-se agora na região do Donbass. A cidade de Severodonetsk tem vindo a ser, nomeadamente, uma das mais afetadas pelas investidas militares russas.

O governador da região de Lugansk, Serhiy Gaidai, admitiu na sexta-feira que as forças ucranianas podem ser obrigadas a abandonar, em breve, as suas posições nessa cidade, tal como em Lysychansk, de modo a evitarem ser cercadas.

Fim de acompanhamento

Teresa Banha | há 1 mês

Boa noite. Damos como terminado o acompanhamento AO MINUTO dos acontecimentos mais relevantes da guerra na Ucrânia. Poderá continuar a acompanhar o que acontece durante este conflito na manhã de domingo. Até amanhã!

Zelensky defende que Rússia deve ser declarada "Estado terrorista"

Daniela Filipe | há 1 mês

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, disse hoje, 94 dias após a invasão russa ao seu país, que a Rússia deve ser declarada um "Estado terrorista".

"Repetidamente vou lembrar ao mundo que a Rússia deve finalmente ser oficialmente reconhecida como um Estado terrorista, um Estado patrocinador do terrorismo. Isso é simplesmente verdade. Isso é justo e reflete a realidade diária que os ocupantes criaram na Ucrânia e estão ansiosos para trazer para a Europa. E isso deve ser legalmente estabelecido", denunciou Zelensky, numa intervenção ao final do dia de hoje.

Prisioneiros de guerra ucranianos queixam-se de tortura na Rússia

Teresa Banha | há 1 mês

Vários prisioneiros de guerra ucranianos entretanto libertados disseram ter sido torturados enquanto estiveram em cativeiro na Rússia, informou, este sábado, a comissária dos direitos humanos do parlamento ucraniano, Lyudmila Denisova.

Prisioneiros de guerra ucranianos queixam-se de tortura na Rússia

Vários prisioneiros de guerra ucranianos entretanto libertados disseram ter sido torturados enquanto estiveram em cativeiro na Rússia, informou hoje a comissária dos direitos humanos do parlamento ucraniano, Lyudmila Denisova.

Lusa | 17:44 - 28/05/2022

Sanções à Rússia responsáveis por fome a nível global? Kyiv diz que não

Teresa Banha | há 1 mês

O ministro dos Negócios Estrangeiros considerou, este sábado, que as sanções impostas à Rússia "não têm qualquer ligação com a falta de comida nível mundial". "A única razão para a escassez, aumento dos preços, e ameaça de fome é que a Rússia está a bloquear 22 milhões de toneladas de exportações nos nossos portos. Exigimos que Moscovo acabe com este bloqueio", escreveu Dmytro Kuleba numa publicação no Twitter.

 

Macron e Scholz pedem a Putin libertação de 2.500 militares de Azovstal

Teresa Banha | há 1 mês

 O presidente francês, Emmanuel Macron, e o chanceler alemão, Olaf Scholz, pediram, este sábado, ao presidente russo, Vladimir Putin, para libertar 2.500 combatentes ucranianos que estavam no complexo siderúrgico de Azovstal, em Mariupol, e foram, após a sua libertação, feitos prisioneiros pelos russos.

Macron e Scholz pedem a Putin libertação de 2.500 militares de Azovstal

O presidente francês, Emmanuel Macron, e o chanceler alemão, Olaf Scholz, pediram hoje ao presidente russo Vladimir Putin para libertar 2.500 combatentes ucranianos que estavam na fábrica de aço Azovstal, em Mariupol, e foram feitos prisioneiros pelos russos.

Lusa | 15:33 - 28/05/2022

Ex-presidente russo quer leis mais duras contra agentes estrangeiros

Ema Gil Pires | há 1 mês

Dmitri Medvedev, antigo presidente da Rússia, pediu ao Kremlin um endurecimento das leis aplicadas sobre agentes estrangeiros que operem "atividades contra o país". Agora chefe-adjunto do Conselho de Segurança da Rússia, Medvedev defendeu que a aplicação da legislação sobre estes indivíduos precisa de ser intensificada no decorrer daquilo que considera ser um "período duro" para a nação, noticia a Reuters.

"Se eles [agentes estrangeiros] estão a realizar atividades contra o nosso país - especialmente durante este período duro - e recebem dinheiro dos nossos inimigos por essa razão, a nossa resposta deve ser rápida e dura", escreveu o ex-presidente russo, na rede social Telegram. O mesmo referiu ainda estar a favor de iniciativas legislativas destinadas a processar criminalmente "pessoas que trabalham no interesse de um Estado estrangeiro".

"Estamos com a Ucrânia a longo prazo", diz Boris Johnson

Ema Gil Pires | há 1 mês

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, recorreu a uma publicação na rede social Twitter para dar conta dos temas discutidos, esta manhã, durante a conversa que teve com o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky. 

"Disse ao presidente Zelensky, esta manhã, que estamos com a Ucrânia a longo prazo. Vamos continuar a fornecer equipamento para ajudar as Forças Armadas ucranianas a defender o seu país e estamos a trabalhar intensamente para encontrar formas de retomar as exportações de cereais e evitar uma crise alimentar global", pode ler-se na referida publicação.

Johnson e Zelensky abordam "bloqueio desprezível" da Rússia a Odessa

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, e o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, discutiram hoje o "bloqueio desprezível" ao qual a Rússia está a submeter Odessa e os esforços da comunidade internacional para evitar uma crise alimentar global.

Lusa | 16:46 - 28/05/2022

Putin "disposto" a discutir formas de permitir exportação de cereais

Ema Gil Pires | há 1 mês

O presidente russo, Vladimir Putin, terá dito aos homólogos francês e alemão, Emmanuel Macron e Olaf Scholz, que a Rússia está disposta a discutir formas de possibilitar a exportação de cereais, por parte da Ucrânia, dos portos do Mar Negro. A informação foi avançada pela Reuters, que cita o Kremlin.

Durante uma chamada que terá decorrido este sábado, o líder russo terá informado os outros dois presidentes de que o Kremlin estava pronto para encontrar opções para a operacionalização de "exportações de cereais sem entraves". E terá dito, ainda, que a Rússia está disponível para aumentar a exportação de fertilizantes e de produtos agrícolas caso as sanções impostas ao país sejam levantadas.

O presidente russo terá ainda falado da "natureza perigosa" das armas ocidentais que estão a ser colocadas na Ucrânia, relata a agência noticiosa TASS, que cita também o Kremlin.

Rússia acusa Ocidente de provocar crise ao trocar armas por trigo

Tomásia Sousa | há 1 mês

A Rússia acusou hoje o Ocidente de provocar uma crise alimentar na Ucrânia ao trocar armas por cereais, que são levados para a Europa em vez de serem destinados a países africanos e do Médio Oriente.

Zelensky quer trabalho "conjunto para evitar uma crise alimentar"

Ema Gil Pires | há 1 mês

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, recorreu à rede social Twitter para dar conta de que voltou a ter uma nova chamada telefónica com o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson.

"Como parte do nosso diálogo regular, tive outra conversa telefónica com Boris Johnson. Falámos sobre o reforço do apoio de defesa a prestar à Ucrânia, intensificando o trabalho sobre garantias de segurança e fornecendo combustível à Ucrânia. Temos de trabalhar em conjunto para evitar uma crise alimentar e desbloquear os portos ucranianos", pode ler-se na publicação.

Putin assina lei que aboliu limite de idade para servir no exército

Ema Gil Pires | há 1 mês

O Presidente russo, Vladimir Putin, assinou este sábado uma lei que aboliu o limite de idade para servir no exército, numa altura em que a Rússia está em guerra com a Ucrânia, noticiou a agência oficial TASS.

Putin assina lei que aboliu limite de idade para servir no exército

O Presidente russo, Vladimir Putin, assinou hoje uma lei que aboliu o limite de idade para servir no exército, numa altura em que a Rússia está em guerra com a Ucrânia, noticiou a agência oficial TASS.

Lusa | 12:22 - 28/05/2022

Ucrânia recebe mais armamento de guerra

Ema Gil Pires | há 1 mês

O ministro da Defesa da Ucrânia, Oleksiy Reznikov, informou este sábado que o país começou já a receber mísseis Harpoon, oferecidos pela Dinamarca, bem como uma série de peças de artilharia pesada - entre as quais se destacam os howitzers M109 autopropulsionados modificados, dos Estados Unidos da América, concebidos para ajudar os militares ucranianos a atacarem alvos localizados a maiores distâncias.

"A defesa costeira do nosso país não será apenas reforçada por mísseis Harpoon, mas será também utilizada por equipas ucranianas treinadas", escreveu ainda Reznikov, na sua página no Facebook, noticia o The Guardian.

Rússia destrói postos de comando ucranianos em Donetsk

Ema Gil Pires | há 1 mês

Na sua atualização diária, aqui citada pela Reuters, o Ministério da Defesa da Rússia diz ter destruído, com recurso a mísseis, postos de comando ucranianos nas cidades de Bakhmut e Soledar, localizadas na região de Donetsk.

Ambas as cidades situam-se numa estrada estrategicamente importante que segue em direção a sudoeste e que vai desde Lysychansk a Sievierodonetsk, onde se concentra agora a principal ofensiva russa.

A mesma fonte relata ainda ter destruído cinco postos de comando e de observação, bem como atingido zonas onde se encontravam soldados e equipamento ucranianos e abatido quatro depósitos de munições perto das cidades de Nyrkove, Bakhmut e Myronivka.

Navios voltam a entrar no porto de Mariupol

Ema Gil Pires | há 1 mês

A agência noticiosa russa TASS está a noticiar que um navio foi visto a dar entrada no porto da cidade ucraniana de Mariupol, algo que já não acontecia desde que as tropas do Kremlin conquistaram a cidade localizada no sul do país.

Um porta-voz do porto de Mariupol terá dito à TASS que o navio carregava 2.700 toneladas de metal, devendo viajar, na segunda-feira, para a cidade russa de Rostov-on-Don.

Lyudmyla Denisova, provedora dos direitos humanos da Ucrânia, alega que a carga se trata de material que foi roubado pelos militares russos. "Após o roubo de cereais ucranianos, os ocupantes recorreram à exportação de produtos metálicos de Mariupol", escreveu, na rede social Telegram.

Forças ucranianas dizem ter repelido ofensiva russa em Severodonetsk

Ema Gil Pires | há 1 mês

O exército ucraniano repeliu uma ofensiva das forças russas na cidade ucraniana de Severodonetsk, no Donbass, forçando-as a recuar, anunciou este sábado o governador militar da região de Lugansk, Serhiy Haidai

"Os russos recuaram para as suas posições anteriores", escreveu Haidai na rede social Telegram, citado pela agência espanhola EFE.

Rússia reivindica controlo total da cidade de Lyman

Ema Gil Pires | há 1 mês

As forças russas garantiram o total controlo da cidade ucraniana de Lyman, localizada no leste do país, segundo a informação avançada este sábado pelo Ministério da Defesa da Rússia, aqui citado pelo The Guardian.

Isto depois de, na sexta-feira, a Ucrânia ter informado que as tropas de Moscovo tinham conseguido dominar a maior parte da cidade  - acrescentando que o seu exército estava a bloquear um eventual avanço das tropas russas até à cidade de Sloviansk.

Recorde-se que os exércitos de ambas as partes têm vindo, durante os últimos dias, a lutar pela conquista da cidade de Lyman.

Rússia testa "com sucesso" míssil hipersónico Zircon

Ema Gil Pires | há 1 mês

O Ministério da Defesa da Rússia adiantou este sábado ter testado "com sucesso" um míssil de cruzeiro hipersónico Zircon numa distância de cerca de 1.000 quilómetros. O míssil em causa terá sido disparado a partir do Mar de Barents e terá atingido um alvo no Mar Branco, segundo a mesma fonte.

De acordo com a Reuters, o vídeo avançado pelo já referido Ministério mostrou o míssil, que segundo o presidente russo Vladimir Putin faz parte de uma nova geração de armamento, a ser disparado a partir de um navio em direção ao céu.

Rússia testa míssil hipersónico que Putin considera "invencível"

Os militares russos anunciaram hoje que testaram com sucesso o míssil de cruzeiro hipersónico Zircon, que Putin descreve como arma "invencível", enquanto Moscovo intensificava a sua ofensiva na Ucrânia.

Lusa | 10:08 - 28/05/2022

Ucrânia diz que qualquer acordo com Moscovo "não vale um tostão"

Ema Gil Pires | há 1 mês

O conselheiro presidencial ucraniano Mykhailo Podolyak, que é também um dos envolvidos nas negociações de paz com a Rússia, disse este sábado que não se deve confiar em qualquer acordo feito com Moscovo. Segundo a Reuters, a mesma fonte acredita que as tropas do Kremlin apenas poderão ser travadas com recurso à força.

"Qualquer acordo com a Rússia não vale um tostão", afirmou Podolyak, através da rede social Telegram. "Será possível negociar com um país que mente sempre de forma cínica e propagandística?", prosseguiu.

Ucrânia diz que qualquer acordo com Moscovo "não vale um tostão"

O conselheiro presidencial ucraniano Mykhailo Podolyak destacou ainda que a "Rússia provou que é um país bárbaro que ameaça a segurança mundial" e que um "bárbaro só pode ser detido pela força".

Ema Gil Pires | 09:17 - 28/05/2022

Pelo menos 242 crianças morrem e 440 ficam feridas na sequência da guerra

Ema Gil Pires | há 1 mês

A Procuradoria-Geral da República da Ucrânia, aqui citada pelo The Kyiv Independent, informa que a invasão russa provocou já a morte de pelo menos 242 crianças na Ucrânia, com outras 440 a terem ficado feridas.

No entanto, os procuradores alertam para a possibilidade destes números serem bem mais elevados, uma vez que esta contabilização não inclui as baixas registadas em zonas onde as hostilidades estão ainda em curso ou nas regiões ocupadas pelas tropas de Moscovo.

30.000 militares russos mortos em combate, alega a Ucrânia

Ema Gil Pires | há 1 mês

O The Kyiv Independent está a noticiar que as Forças Armadas Ucranianas estimam que as tropas de Moscovo já terão perdido mais de 30.000 soldados na sequência da guerra na Ucrânia. A mesma fonte afirma que foram já destruídos 207 aviões russos, 180 helicópteros e mais de 1.330 tanques, bem como milhares de outros veículos e tanques de combustível, drones e sistemas de artilharia pertencentes ao exército de Vladimir Putin.

Rússia conquistou maior parte da cidade de Lyman, diz Reino Unido

Ema Gil Pires | há 1 mês

A mais recente atualização fornecida pelos serviços secretos britânicos dá conta de que as forças russas terão já, muito possivelmente, conquistado a maior parte da cidade ucraniana de Lyman - naquilo que se trata de uma provável operação preliminar para a fase seguinte da ofensiva russa no Donbass.

Segundo a informação partilhada pelo Ministério da Defesa britânico, Lyman trata-se de um nó ferroviário estrategicamente relevante e um ponto de acesso a importantes pontes ferroviárias e rodoviárias sobre o rio Siverskyy Donets.

10.000 militares russos encontram-se em Lugansk, diz governador local

Ema Gil Pires | há 1 mês

O governador da região ucraniana de Lugansk, Serhiy Haidai, estimou que existem cerca de 10.000 soldados russos na região oriental do país. "Estas são as [unidades} que estão permanentemente na região de Lugansk, que estão a tentar atacar e a tentar obter ganhos em qualquer direção que consigam", disse o governador, em declarações proferidas na televisão nacional, aqui citadas pela Sky News.

Aumentos dos preços e atrasos nas entregas são desafio para os hospitais

Ema Gil Pires | há 1 mês

O custo de uma tonelada de algodão, um dos materiais mais usados nos hospitais, passou de 60, 70 euros para 230 euros nos últimos meses, agravamento potenciado pelos efeitos da guerra na Ucrânia, mas que já vinha a sentir-se desde 2021.

Guerra na Ucrânia agrava custos que já se sentiam no setor da saúde

Ema Gil Pires | há 1 mês

A guerra na Ucrânia veio agravar o aumento dos custos no setor da saúde, com os hospitais a registarem subidas de 25 a 30% em materiais e equipamentos, colocando "uma pressão tremenda" sobre estas instituições.

O alerta é dado pelos administradores hospitalares, mas a situação estende-se aos hospitais privados, indústria e distribuidores farmacêuticos, que estão a defrontar-se com um aumento de preços que já era pronunciado em 2021 devido à crise energética, mas que se agudizou com a guerra.

Kyiv pede ajuda à ONU para retirar tropas russas de centrais nucleares

Ema Gil Pires | há 1 mês

O regulador nuclear ucraniano pediu na sexta-feira apoio da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA), sob a tutela da ONU, para a retirada imediata das tropas russas das centrais nucleares do país.

Segundo as autoridades ucranianas, os "ataques constantes" com mísseis na Ucrânia por parte de tropas russas nas proximidades de algumas centrais nucleares ignoram os "possíveis riscos e consequências catastróficas".

Deputado regional russo exige retirada das tropas russas da Ucrânia

Ema Gil Pires | há 1 mês

Um deputado do parlamento regional Primorsk, no extremo oriente da Rússia, exigiu o fim da guerra e a retirada das forças russas da Ucrânia, numa rara demonstração de oposição à invasão.

"Entendemos que, se o nosso país não interromper a operação militar, teremos mais órfãos no nosso país", disse Leonid Vasyukevich, deputado do Partido Comunista, numa reunião da Assembleia Legislativa regional de Primorsk no porto de Vladivostok, na sexta-feira.

Governador de Lugansk nega cerco a Severodonetsk, mas admite retirada

Ema Gil Pires | há 1 mês

O governador da região de Lugansk, Serhiy Haidai, negou na sexta-feira que as forças russas tenham cercado a importante cidade de Severodonetsk, no leste da Ucrânia, embora admita que os combatentes ucranianos podem ter de recuar.

Numa mensagem divulgada na rede social Telegram, Serhiy Haidai negou as alegações das forças russas, mas referiu que os russos tomaram um hotel e uma estação de camionagem.

Zelensky confiante numa vitória total sobre as forças russas

Ema Gil Pires | há 1 mês

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelesnky, assegurou na sexta-feira, em dois momentos diferentes, que o seu país irá alcançar a vitória final sobre as forças russas, quer no leste da Ucrânia, quer na guerra em geral.

Numa participação por vídeo perante estudantes da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, Zelensky salientou que a Ucrânia desfez "o mito sobre o poder extraordinário do exército russo - um exército que supostamente, em poucos dias, poderia conquistar quem quisesse".

"Agora, a Rússia está a tentar ocupar toda a região [Donbass], mas nós sentimo-nos fortes o suficiente para pensar no futuro da Ucrânia, que será aberto ao mundo", realçou o chefe de Estado ucraniano.

Bom dia!

Ema Gil Pires | há 1 mês

Iniciamos aqui uma nova cobertura AO MINUTO sobre a invasão russa na Ucrânia. Pode recordar todas as notícias de sexta-feira aqui.

AO MINUTO: "Tentar alcançar objetivos até ao 100.º dia"; Assalto a Kyiv?

Acompanhe aqui AO MINUTO os mais recentes desenvolvimentos sobre a guerra na Ucrânia.

Notícias ao Minuto | 07:24 - 27/05/2022

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório