Meteorologia

  • 26 JUNHO 2022
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 22º

Aeroporto encerrado junta-se a protestos sudaneses contra acordo de paz

Um conselho tribal no leste do Sudão anunciou hoje que o aeroporto em Porto Sudão juntou-se a vários portos e estradas parados na região oriental do Mar Vermelho, em protesto contra o acordo de paz, assinado no ano passado.

Aeroporto encerrado junta-se a protestos sudaneses contra acordo de paz
Notícias ao Minuto

18:24 - 23/09/21 por Lusa

Mundo Sudão

O aeroporto de Porto Sudão foi encerrado em resposta à lentidão do Governo central em encontrar soluções urgentes e imediatas para o problema do leste do Sudão", disse Abdullah Oshir, porta-voz do Conselho Supremo de Nazarat al Beja e dos Municípios Independentes, num comunicado.

Com esta ação de protesto, acrescentou, o estado do Mar Vermelho "foi isolado por terra, mar e ar após o encerramento de estradas e portos marítimos".

Os protestos deste conselho tribal começaram na sexta-feira da semana passada com o encerramento do porto de Porto Sudão, o mais importante do país, e de várias estradas, incluindo a que liga esta cidade a Cartum, capital do país, e não pararam mesmo depois de a tentativa de golpe de Estado ter sido frustrada pelas autoridades do país na terça-feira.

Os seus promotores exigem a anulação de parte do acordo de paz assinado entre o Governo e os principais movimentos rebeldes armados sudaneses, em outubro do ano passado, que afeta o leste do país.

Também se queixam da marginalização das regiões orientais do país e exigem o cancelamento dessa parte do acordo, a fim de estabelecer um congresso nacional específico para tratar de questões nessa área e aprovar projetos de desenvolvimento regional.

Esta não é a primeira vez que os opositores do acordo de paz encerram estradas e portos.

Na terça-feira, horas depois de uma tentativa falhada de golpe de Estado ter sido frustrada pelas autoridades do país, o primeiro-ministro, Abdallah Hamdok, culpou as "tentativas de bloqueio de estradas e portos" por estarem a criar uma atmosfera propícia a uma revolta.

Hamdok atribuiu a insurreição falhada aos "restos" do antigo regime do ditador Omar al-Bashir, que foi derrubado em 2019.

Leia Também: Mais de 400 mil deslocados devido a inundações no Sudão do Sul

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório