Meteorologia

  • 25 OUTUBRO 2021
Tempo
20º
MIN 14º MÁX 23º

Edição

Myanmar. Mais de dois mil detidos vão ser hoje libertados

Mais de 2.000 prisioneiros detidos em Myanmar (antiga Birmânia) vão ser libertados hoje, incluindo um número desconhecido de presos políticos detidos após o golpe militar, segundo os meios de comunicação locais.

Myanmar. Mais de dois mil detidos vão ser hoje libertados
Notícias ao Minuto

09:02 - 30/06/21 por Lusa

Mundo Myanmar

Banguecoque, 30 jun 2021 (Lusa) - Mais de 2.000 prisioneiros detidos em Myanmar (antiga Birmânia) vão ser libertados hoje, incluindo um número desconhecido de presos políticos detidos após o golpe militar, segundo os meios de comunicação locais.

Um responsável pela prisão de Insein em Rangum disse à edição birmanesa do canal BBC que entre as pessoas que serão libertadas estão algumas acusadas de "incitar a desordem pública".

O portal Myanmar Now indica que pelo menos 700 reclusos do total anunciado deixarão Insein, a prisão onde estão milhares de detidos durante a sucessão de regimes militares que governaram o país entre 1962 e 2011.

Centenas de pessoas estão aglomeradas desde o início da manhã junto à prisão da antiga capital à espera da libertação, segundo o canal Channel News Asia.

A oeste do estado de Chin, onde a junta militar enfrentou forte oposição, pelo menos 41 prisioneiros políticos (33 homens e oito mulheres) serão libertados, relata o portal Chin World Media, citando familiares de alguns presos.

As autoridades também retiraram as acusações na terça-feira contra 24 celebridades e atletas que expressaram a sua rejeição ao regime militar, informou o canal de televisão Myawaddy do exército na noite passada.

Cinco meses depois do golpe militar que pôs fim à jovem democracia em Myanmar, o exército ainda não controla totalmente o país, com protestos em várias regiões.

Alguns dos manifestantes, cansados dos poucos avanços obtidos com protestos pacíficos, pegaram em armas contra os militares, ao mesmo tempo que confrontos entre as Forças Armadas e os grupos rebeldes eclodiram ou intensificaram-se em todo o país.

O exército birmanês justificou o golpe com uma alegada fraude eleitoral nas eleições de novembro, em que o partido liderado pela Prémio Nobel da Paz Aung San Suu Kyi obteve uma vitória esmagadora, tal como em 2015, e que foram consideradas legítimas pelos observadores internacionais.

Suu Kyi e outros líderes do Governo deposto continuam detidos e acusados de vários crimes.

Leia Também: Myanmar. Junta anuncia libertação de 700 detidos, incluindo políticos

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório