Meteorologia

  • 05 AGOSTO 2021
Tempo
21º
MIN 17º MÁX 29º

Edição

Sánchez minimiza custo político de indultos a catalães presos

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, minimizou hoje a importância do "custo" político para o executivo que lidera de um futuro eventual indulto dos líderes independentistas catalães e defendeu a abertura de "uma nova etapa".

Sánchez minimiza custo político de indultos a catalães presos
Notícias ao Minuto

17:26 - 31/05/21 por Lusa

Mundo Espanha

"Acredito que ajudar a resolver problemas não representa um custo", insistiu Sánchez, que não acredita que deixar as "coisas enquistadas" serve os interesses da Catalunha ou de Espanha.

Pedro Sánchez esclareceu que a possível decisão de indultar os políticos catalães presos será tomada pelo Governo "em consciência" e não a pensar nos efeitos negativos que possa ter, mas sim "nos milhões de catalães que querem viver em paz e que querem superar a lágrima emocional" que significou a tentativa falhada de independência de 2017.

O atual executivo minoritário de esquerda tem conseguido manter-se no poder, nomeadamente com a ajuda dos partidos independentistas catalães, assim como de formações separatistas ou nacionalistas do País Basco, e uma eventual decisão de conceder indultos é vista, principalmente pela direita, como a moeda de troca que garante a continuação desse apoio.

Para o presidente do executivo espanhol, a decisão sobre os indultos permitirá passar "de um passado mau para um futuro melhor", o que, na sua opinião, tem de ser escrito com palavras como "harmonia" e "coesão".

Sánchez reconheceu que não pode adiantar uma data sobre essa decisão, porque o Ministério da Justiça deve primeiro estudar os pareceres de todas as partes e depois redigir não um expediente, mas sim 11, um por cada um dos líderes independentistas condenados.

Os políticos catalães que organizaram um referendo ilegal sobre a autodeterminação da região foram julgados em 2019 e estão a cumprir penas que vão até um máximo de 13 anos de prisão, por crimes de sedição e/ou má gestão de fundos públicos.

Um grupo de independentistas está fugido no estrangeiro, não tendo ainda sido julgado, entre eles o ex-presidente do executivo catalão Carles Puigdemont, que está na Bélgica, e foi eleito deputado do Parlamento Europeu.

O Supremo Tribunal espanhol, que condenou os líderes pró-independência em outubro de 2019, manifestou-se na semana passada que se opunha a "qualquer perdão parcial ou total" num parecer que não é vinculativo para o executivo.

A mais alta instituição judicial espanhola destacou, entre outras coisas, a falta de "provas ou indicações de arrependimento" por parte dos antigos dirigentes do governo regional ou líderes de organizações pró-independência da Catalunha.

Leia Também: Sánchez avisa Marrocos: É "inaceitável" atacar fronteiras como protesto

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório