Meteorologia

  • 23 JUNHO 2021
Tempo
22º
MIN 15º MÁX 27º

Edição

França saúda formação de governo de transição no Chade

França saudou hoje a formação, pelo conselho militar de transição no Chade, de um "governo de transição liderado por um primeiro-ministro civil" e que inclui "vários membros da oposição", duas semanas após a morte do Presidente Idriss Déby Itno.

França saúda formação de governo de transição no Chade
Notícias ao Minuto

19:47 - 03/05/21 por Lusa

Mundo Chade

Numa declaração do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Paris recordou "o seu compromisso à estabilidade e integridade territorial" do Chade.

França reiterou também "a importância de que a transição seja de duração limitada" e que se "desenrole em condições pacíficas" para permitir "o rápido regresso às instituições democraticamente eleitas", referiu a nota citada pela agência France-Presse.

Paris mostrou também apoio às iniciativas da União Africana para "acompanhar o Chade neste sentido".

Desde a sua criação, na sequência da morte repentina de Idriss Déby Itno, o Conselho Militar de Transição (CMT), liderado por Mahamat Idriss Déby, filho do falecido Presidente, tem sido acusado por oposição e sociedade civil de "um golpe de Estado institucional" e de perpetuar uma "dinastia", uma vez que o antigo chefe de Estado liderou o país durante 30 anos.

No entanto, o principal opositor de Idriss Déby Itno, Saleh Kebzabo, reconheceu no domingo as novas autoridades, tendo dois membros do seu partido, a União Nacional para a Democracia e Renovação (UNDR), sido nomeados para os cargos de ministro da Pecuária e secretário-geral-adjunto do Governo.

No final de abril, o Presidente francês, Emmanuel Macron, garantiu, nas cerimónias fúnebres de Idriss Déby Itno, que morreu a combater uma rebelião no norte do Chade, o seu apoio à junta militar que tomou o poder a fim de preservar a "estabilidade" do país, um importante ator na luta contra os grupos 'jihadistas' na região do Sahel.

No entanto, poucos dias depois, o chefe de Estado francês condenou "com a maior firmeza a repressão" no Chade, após a morte de pelo menos seis pessoas em manifestações proibidas pelas autoridades.

No domingo, Mahamat Idriss Déby designou por decreto 40 ministros e secretários de Estado, tendo sido ainda anunciado um novo Ministério da Reconciliação Nacional e do Diálogo.

O novo cargo da Reconciliação Nacional e do Diálogo foi atribuído a Acheick Ibn Oumar, antigo chefe rebelde que em 2019 se tornou conselheiro diplomático da presidência.

O CMT prometeu "eleições livres e democráticas" num prazo de 18 meses. Durante este período, a Carta de Transição prevê a formação de um governo de transição, cujos membros serão nomeados e revogados pelo presidente do CMT.

Os principais partidos da oposição, e ainda sindicatos e sociedade civil, consideraram a chegada ao poder do filho de Idriss Déby Itno um "golpe de Estado institucional" e apelaram para uma "transição dirigida por civis".

Leia Também: Covid-19: França vacinou quase um quarto da população com primeira dose

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório