Meteorologia

  • 02 AGOSTO 2021
Tempo
23º
MIN 18º MÁX 28º

Edição

Golfo de Omã. Explosão em navio israelita sem vítimas nem causa conhecida

Um navio israelita foi afetado por uma explosão no golfo de Omã, relataram hoje sociedades de vigilância marítima e o proprietário, avançando que não tinha havido vítimas e se desconhecia a causa.

Golfo de Omã. Explosão em navio israelita sem vítimas nem causa conhecida
Notícias ao Minuto

21:03 - 26/02/21 por Lusa

Mundo Navio

O "MV Helios Ray", que transportava veículos, "foi vítima de uma explosão no golfo de Omã", indicou a Dryad Global, sociedade especializada na segurança marítima.

O navio efetuava o trajeto entre Dammam, cidade portuária no leste da Arábia Saudita, e Singapura, no momento da explosão, ocorrida na quinta-feira, a noroeste de Omã, detalhou a sociedade.

A embarcação "é propriedade da Helios Ltd, uma sociedade israelita registada na ilha de Man", detalhou a Dryad Global, enquanto a estação pública israelita Kan atribuiu a sua propriedade a um empresário israelita chamado Rami Ungar.

A explosão causou "dois buracos com cerca de um metro e meio de diâmetro", confirmou o armador à Kan.

"Ainda não está claro", disse, "se foi causada por um tiro de míssil ou minas fixadas ao navio".

Acrescentou que não há vítimas entre a tripulação e que o motor não tinha sido atingido. O navio deve chegar a um porto dos Emiratos no sábado de manhã.

Segundo o portal da Internet Marine Traffic, a embarcação, que tem bandeira das Bahamas, saiu de Dammam na quarta-feira e deveria chegar a Singapura ma próxima semana.

"Não temos qualquer ideia" se o incidente está ligado às tensões entre Washington e Teerão e se "tem a ver com o facto de o proprietário do navio ser israelita", disse Ungar.

O centro de Operações de Comércio Marítimo do Reino Unido, liderado pela Marinha britânica, também deu conta da explosão, indicando que "há inquéritos em curso".

A explosão ocorreu numa altura em que se regista um aumento das tensões entre o Irão e os Estados Unidos em relação ao programa nuclear iraniano.

O local do incidente, no golfo de Omã, foi em 2019 cenário de uma série de explosões que a Marinha norte-americana atribuiu ao Irão, algo que Teerão negou.

A 5.ª Esquadra da Marinha dos Estados Unidos estacionada no Bahrein, indicou que está a "acompanhar a situação", mas a comandante Rebecca Rebarich, contactada pela agência noticiosa Associated Press (AP), escusou-se a fazer, para já, quaisquer comentários.

Enquanto as circunstâncias do incidente continuam pouco claras, a Dryad Global indicou ser "muito provável" que a explosão tenha resultado de uma "atividade assimétrica de militares iranianos", considerando também que tal será "compatível" com o aumento das tensões regionais.

Numa altura em que o Irão procura pressionar os Estados Unidos para suspender as sanções e retornar ao acordo nuclear de 2015, Teerão poderá estar "a tentar exercer uma diplomacia vigorosa por meios militares", indicou a Dryad Global, num relatório.

O Irão não comentou, para já, o incidente.

No verão de 2019, num cenário de tensões cada vez maiores entre o Irão e a Administração do então Presidente dos Estados Unidos Donald Trump, os militares norte-americanos responsabilizaram o Irão pelos ataques a dois petroleiros perto do Estreito de Ormuz, uma das rotas marítimas mais estratégicas do mundo.

As explosões de então ocorreram após os Estados Unidos terem atribuído ao Irão a responsabilidade por uma série de confrontos na região, incluindo o uso de minas de lapa - projetadas para acoplarem magneticamente ao casco de um navio - para atacar quatro petroleiros ao largo do porto de Al-Fujayrah - um dos sete emirados dos Emirados Árabes Unidos (EAU) -, e o bombardeamento de um oleoduto na Arábia Saudita por combatentes apoiados por Teerão.

A tensão entre os dois países aumentou após a decisão unilateral de Trump de se retirar do acordo nuclear de 2015 e da reimposição de duras sanções ao Irão.

Leia Também: Explosão inexplicável em navio no Golfo de Omã com tripulação a salvo

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório