Meteorologia

  • 24 JANEIRO 2021
Tempo
15º
MIN 12º MÁX 17º

Edição

Dois especialistas da OMS retidos em Singapura para realizar testes

Dois especialistas da equipa da Organização Mundial de Saúde (OMS) que chegou hoje à China para investigar as origens do novo coronavírus ficaram retidos em Singapura para realizar testes à covid-19, informou a agência internacional.

Dois especialistas da OMS retidos em Singapura para realizar testes

"A equipa internacional de 13 cientistas que vai examinar as origens do vírus que causa a covid-19 chegou hoje a Wuhan, na China, mas dois especialistas ainda estão em Singapura para realizar testes", disse a OMS na rede social Twitter.

De acordo com a OMS, "todos os membros da equipa foram submetidos a vários testes de PCR e testes de anticorpos negativos para a covid-19 no seu país de origem antes de partirem em viagem".

No entanto, explicou a agência internacional, dois dos membros testaram positivo para anticorpos IgM (imunoglobulina M), uma forma de anticorpo que o corpo desenvolve em resposta ao vírus.

Os dois especialistas devem ser testados novamente para esses anticorpos, bem como para outra classe de anticorpos, chamada IgG (para imunoglobulina G).

A equipa de investigadores e especialistas da OMS chegou hoje à China para investigar a origem do novo coronavírus, o SARS-CoV-2, detetado pela primeira vez em Wuhan, em fins de 2019.

Além da OMS, a missão integra especialistas da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e da Organização Mundial de Saúde Animal, estando envolvidos cientistas dos Estados Unidos, Japão, Rússia, Reino Unido, Holanda, Dinamarca, Austrália, Vietname, Alemanha e Qatar.

Em fevereiro e julho de 2020, duas equipas de especialistas visitaram a China com o mesmo objetivo da atual missão, mas poucos pormenores foram divulgados sobre a origem de um vírus que já provocou quase dois milhões de mortes entre os mais de 91,5 milhões de contaminações em todo o mundo.

A visita da missão à China, em particular a Wuhan, foi confirmada na segunda-feira pelas autoridades de Pequim, depois de, na semana passada, ter sido anulada à última hora por falta das autorizações necessárias.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1,9 milhões de mortos resultantes de mais de 91,5 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório