Meteorologia

  • 27 JANEIRO 2021
Tempo
16º
MIN 13º MÁX 19º

Edição

Irão anuncia novo julgmento para três jovens condenados à morte

O Supremo Tribunal do Irão anunciou hoje ter ordenado um novo julgamento de três jovens condenados à morte na sequência dos tumultos mortais de novembro de 2019.

Irão anuncia novo julgmento para três jovens condenados à morte
Notícias ao Minuto

10:02 - 05/12/20 por Lusa

Mundo Irão

A Autoridade Judicial havia anunciado em julho a suspensão do veredicto contra os três réus, após a confirmação da condenação pelo Supremo Tribunal alguns dias depois ter provocado uma onda de indignação no Irão e no mundo.

"O pedido de um novo julgamento para os três condenados à morte pelos incidentes (de novembro de 2019) foi aceite", indica um comunicado que o Supremo Tribunal publicou na página de internet.

"O caso será novamente julgado por outro tribunal", de acordo com o texto, sem mais detalhes.

Babak Paknia, um dos advogados de defesa, revelou na rede social Twitter ter sido notificado desta decisão.

Em julho, Paknia disse à agência francesa AFP que os acusados eram três amigos: Amirhossein Moradi, 26 anos, vendedor de telemóveis, Saïd Tamdjidi, 28 ans, motorista de uma empresa de transporte da Snapp (equivalente iraniana da Uber), e Mohammad Radjabi, 26 ans, desempregado.

Os três foram condenados à morte por "conluio com vista a por em perigo a segurança interna" e "incêndio e destruição de bens públicos com a intenção de prejudicar o sistema político da República Islâmica", acrescentou.

Entre 15 e 18 de novembro de 2019, cerca de cem cidades do irão viveram um movimento de contestação -- violentamente reprimido -- contra o anúncio súbito de um forte aumento do preço dos bens essenciais, em plena crise económica.

Durante esses acontecimentos, que o Governo classificou como "tumultos" orquestrados por "inimigos" estrangeiros, foram atacados postos de polícia, pilhadas lojas e incendiados bancos e estações de serviço.

As autoridades impuseram um corte de internet durante uma semana.

Depois de se terem recusado durante meses a fornecer um balanço de vítimas da violência, as autoridades iranianas acabaram por declarar que foram mortas 230 pessoas.

Denunciando o uso "ilegal" e desproporcionado da força pelo poder, a organização de defesa dos direitos humanos Amnistia Internacional estimou em 304 o número de contestatários mortos, entre os quais 23 menores.

Um grupo de peritos independentes ao serviço da ONU considerou que o balanço de vítimas poderia ser superior a 400 mortos.

Leia Também: EUA vão colocar restrições a vistos a chineses envolvidos em intimidação

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório