Meteorologia

  • 21 JANEIRO 2021
Tempo
14º
MIN 12º MÁX 16º

Edição

Amnistia denuncia ação do Governo egípcio contra ativistas e políticos

A Amnistia Internacional (AI) alertou hoje que as autoridades egípcias intensificaram as ações contra os defensores dos direitos humanos e denunciou a inclusão de ativistas e políticos numa lista de terroristas.

Amnistia denuncia ação do Governo egípcio contra ativistas e políticos
Notícias ao Minuto

15:13 - 24/11/20 por Lusa

Mundo Amnistia

O diretor de pesquisa da AI para o Médio Oriente e Norte de África, Philip Luther, disse num comunicado que as últimas detenções de membros da Iniciativa Egípcia pelos Direitos Pessoais e a classificação de ativistas como "terroristas" ilustram como é "profunda e catastrófica a crise dos direitos humanos no Egito".

A Iniciativa Egípcia pelos Direitos Pessoais anunciou hoje que o seu diretor-executivo, Yaser Abdel Razek, foi tratado "de forma cruel e desumana na prisão", depois de ter sido detido em 19 de novembro, na mesma semana em que dois outros membros de organizações não-governamentais foram encarcerados após se reunirem com embaixadores credenciados no Egito.

Ao mesmo tempo, as autoridades judiciais adicionaram esta semana o defensor dos direitos humanos Mohamed al Baqer à "lista de terroristas" por um período de cinco anos, juntamente com o proeminente ativista Alaa Abdelfatah e outros políticos da oposição, sem acusação formulada e sem lhes ter sido dada oportunidade de defesa, segundo a AI.

A lista inclui centenas de ativistas políticos e opositores do regime, nomeadamente o grupo islâmico Irmandade Muçulmana, que governou o Egito entre 2012 e 213 e que foi declarado terrorista após o golpe liderado pelo atual presidente, Abdelfatah al Sisi.

"As autoridades egípcias usam regularmente acusações infundadas relacionadas com 'terrorismo' para deter defensores dos direitos humanos e submetê-los a medidas punitivas sem julgamento", acrescentou o comunicado da organização internacional.

Vários embaixadores credenciados no Egito e organizações internacionais, incluindo a ONU e a União Europeia, também expressaram a sua preocupação e condenação pela detenção dos três membros de uma das organizações de direitos humanos mais importantes do país.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros do Egito respondeu às críticas, considerando as denúncias como "tentativas de influenciar as investigações" contra esses três cidadãos, acusados de ingressarem numa "organização terrorista".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório