Meteorologia

  • 30 NOVEMBRO 2020
Tempo
14º
MIN 10º MÁX 18º

Edição

Polónia. Ativistas marcam mais protestos contra decisão que limita aborto

Ativistas dos direitos das mulheres na Polónia anunciaram mais protestos para hoje e para os próximos dias, apesar das restrições impostas pela pandemia, contra uma decisão judicial que reforça a já quase total proibição do aborto no país.

Polónia. Ativistas marcam mais protestos contra decisão que limita aborto
Notícias ao Minuto

15:49 - 26/10/20 por Lusa

Mundo Polónia

Fortes protestos têm-se realizado desde a decisão do Tribunal Constitucional, na quinta-feira, que declarou inconstitucional a interrupção voluntária da gravidez (IVG) nos casos de malformações do feto.

A plataforma Greve das Mulheres anunciou que hoje à tarde, em mais de 50 cidades da Polónia, manifestantes vão bloquear o trânsito em vias principais com automóveis, bicicletas ou simplesmente andando a pé.

Uma dirigente do grupo, Marta Lempart, disse que haverá igualmente uma greve na quarta-feira e uma marcha de protesto na sexta-feira em Varsóvia.

A decisão do Constitucional torna ilegais praticamente todos os abortos ao anular um compromisso arduamente conquistado na lei de 1993, uma das mais rígidas da Europa.

Com a decisão, passam a ser unicamente autorizadas as interrupções da gravidez quando há risco de vida para a mãe ou quando a conceção resulta de violação ou incesto.

Com as manifestações de rua limitadas pelas restrições impostas devido à pandemia de covid-19, o bastonário da ordem dos médicos da Polónia, Andrzej Matyja, criticou o momento escolhido para o anúncio da decisão, considerando-o "uma provocação irresponsável às pessoas para protestos" onde o distanciamento social não pode ser mantido.

O eurodeputado polaco do partido conservador no poder (PiS) Patryk Jaki, pai de uma criança com síndrome de Down, defendeu a decisão no Twitter, escrevendo que os abortos devido a malformações também podem impedir o nascimento de crianças saudáveis "porque raramente se tem 100% de certeza".

O deputado polaco ao Parlamento Europeu também argumentou que os abortos contribuem negativamente para taxa de natalidade da Polónia, o que pode constituir "uma ameaça ao Estado polaco".

Números do Ministério da Saúde indicam que, em 2019, foram realizados 1.110 abortos legais na Polónia, a maioria (1.074) devido a malformações do feto.

Depois de, no domingo, milhares de pessoas terem protestado contra a decisão judicial junto de igrejas católicas por todo o país, o presidente da Conferência Episcopal veio hoje condenar "expressões agressivas" de alguns protestos e apelar ao diálogo.

"É preciso encontrar o caminho entre o direito à vida e a proteção da mulher", disse o arcebispo Stanislaw Gadecki.

Embora a maioria das manifestações tenha sido pacífica, o responsável católico, arcebispo de Poznan (oeste), referia-se a casos em que houve confrontos entre manifestantes e fiéis, designadamente naquela cidade, onde duas dezenas de ativistas entraram na catedral com cartazes a favor da liberalização do aborto.

A decisão do Constitucional reacendeu a polémica sobre a reforma judicial polaca, que a oposição e a Comissão Europeia consideram contrária ao princípio da separação de poderes.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório