Meteorologia

  • 25 OUTUBRO 2020
Tempo
19º
MIN 13º MÁX 19º

Edição

Nagorno-Karabakh: UE e França apelam ao fim das hostilidades e ao diálogo

A União Europeia (UE) e a França apelaram hoje à cessação das hostilidades entre o Azerbaijão e a Arménia no enclave de Nagorno-Karabakh, pedindo às partes se se sentem à mesa negocial.

Nagorno-Karabakh: UE e França apelam ao fim das hostilidades e ao diálogo

Em Bruxelas, e através do Twitter, o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, manifestou-se preocupado com as "informações sobre as hostilidades" em Nagorno-Karabakh, que considera "fonte das mais graves inquietações".

"A ação militar deve cessar imediatamente, para impedir qualquer escalada [da violência] A única via possível é um regresso imediato às negociações, sem quaisquer pré-condições", frisou.

Também o alto-representante da UE para a Política Externa, Josep Borrell, apelou a uma "cessação imediata das hostilidades e à observância rigorosa do cessar-fogo".

Em comunicado, o chefe da diplomacia europeia considerou urgente o retorno às negociações do conflito em Nagorno-Karabakh.

Em Paris, o Governo francês afirmou-se "muito preocupado" com a situação e apelou também às partes à cessação imediata das hostilidades e ao regresso ao diálogo.

Num comunicado, o Ministério dos Negócios Estrangeiros francês reitera a disponibilidade da França para apoiar uma solução negociada e duradoura para o conflito naquela região, "no respeito pelo direito internacional".

Já antes, em Moscovo, a Rússia também instara os dois países a cessarem imediatamente os combates próximo da fronteira comum junto a Nagorno-Karabakh e a sentarem-se à mesa das negociações para estabilizar a situação.

"A situação na zona de Nagorno-Karabakh deteriorou-se consideravelmente e instamos as partes a respeitarem um cessar-fogo imediato e a darem início a negociações com o objetivo de estabilizar a situação", indicou hoje, em comunicado, o Ministério dos Negócios Estrangeiros russo.

Os apelos de Bruxelas, Paris e Moscovo surgem depois de as partes em conflito terem intensificado os confrontos na região de Nagorno-Karabakh, uma região separatista do Azerbaijão habitada maioritariamente por arménios e apoiada pela Arménia.

O Ministério da Defesa azeri acusou hoje a Arménia de ter violado o acordo de cessar-fogo (assinado em 1994) e lançado às primeiras horas de hoje "provocações em grande escala" com bombardeamentos contra posições do Exército do Azerbaijão e localidades situadas na primeira linha de zona de conflito.

Segundo a versão das autoridades de Baku, a arménia utilizou nos ataques armas de grande calibre, morteiros e artilharia, ações que provocaram "mortos e feridos entre a população civil" e "danos graves em infraestruturas civis".

Por seu lado, o primeiro-ministro da Arménia, Nikol Pashinian, acusou o Azerbaijão de ter lançado uma ofensiva militar "com ataques aéreos e mísseis contra Artsaj", nome arménio de Nagorno-Karabakh, e assegurou que o exército "fará tudo" para proteger o país da "invasão azeri".

Antes o Ministério dos Negócios Estrangeiros arménio indicou que o Azerbaijão estava a lançar mísseis "contra localidades pacíficas, incluindo a capital [de Nagorno-Karabakh] Stepanakert".

Nagorno-Karabakh foi cenário de uma guerra no início dos anos 1990, na qual morreram cerca de 30.000 pessoas, e, desde então, as autoridades azeris têm tentado recuperar o seu controlo, se necessário pela força, enquanto as conversações de paz permanecem num impasse há vários anos.

Os combates ocorrem regularmente entre separatistas e azeris, bem como entre Erevan e Baku.

Em 2016, os graves confrontos armados quase degeneraram numa guerra em Nagorno-Karabakh e, em julho de 2020, registaram-se igualmente combates entre arménios e azerbaijaneses na sua fronteira.

Apesar de o conflito ter terminado em 1994 e de ter sido sucedido de um cessar-fogo, as tensões na região separatista de Nagorno-Karabakh permaneceram ao longo dos anos, tendo hoje subido de tom, com as partes a trocarem acusações sobre quem iniciou as hostilidades.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório