Meteorologia

  • 21 OUTUBRO 2020
Tempo
18º
MIN 13º MÁX 19º

Edição

Azerbaijão condena investida e Arménia responde com mobilização militar

O Azerbaijão condenou hoje "veementemente" a investida militar arménia na fronteira entre os dois países, na região separatista de Nagorno-Karabakh, que terá causado mortos, enquanto a Arménia apelou à "mobilização geral" após a eclosão do conflito.

Azerbaijão condena investida e Arménia responde com mobilização militar
Notícias ao Minuto

10:28 - 27/09/20 por Lusa

Mundo Azerbeijão

Numa declaração publicada na rede social Twitter, o conselheiro do Presidente do Azerbaijão, Hikmet Hajiyev, sublinha que o país "condena veementemente o novo ato de agressão da Arménia".

Acusando as forças armadas da Arménia de terem "violado hoje o cessar-fogo" entre os dois países, Hikmet Hajiyev fala num "bombardeamento [que afetou] áreas densamente povoadas por civis".

"Há relatos de mortos e de feridos entre os civis e os miliares", adianta o responsável, atribuindo "a responsabilidade" ao bloco arménio, por ter "deliberadamente atacado áreas residenciais".

Já o primeiro-ministro arménio, Nikol Pashinian, fez através da sua conta no Facebook um apelo à "mobilização militar geral", exortando "o pessoal ligado às forças armadas a apresentar-se nas suas comissões militares territoriais".

Horas antes, noutra rede social, no Twitter, Nikol Pashinian denunciou a ofensiva do Azerbaijão "com ataques aéreos e de mísseis".

Anunciando o abate de "dois helicópteros e de três 'drones', destruindo três tanques" do Azerbaijão, Nikol Pashinian assegurou que o exército arménio tudo fará para proteger "a pátria da invasão".

Apesar de o conflito ter terminado em 1994 e de ter sido sucedido de um cessar-fogo, as tensões na região separatista de Nagorno-Karabakh permaneceram ao longo dos anos, tendo hoje subido de tom, com as partes a trocarem acusações sobre quem iniciou as hostilidades.

Nagorno-Karabakh é um enclave etnicamente arménio dentro do Azerbaijão, que tem estado fora do domínio deste último país desde o fim da guerra em 1994.

Ambos os lados têm uma forte presença militar ao longo de uma zona desmilitarizada que separa a região do resto do Azerbaijão.

O conflito Arménio-Azerbaijão data dos tempos soviéticos, quando em finais dos anos 80 a população do território do Azerbaijão de Nagorno-Karabakh, povoado maioritariamente por arménios, pediu para este ser incorporado na vizinha Arménia.

Foi este o mote para a guerra, que durou vários anos e casou cerca de 25 mil mortos.

No final, as forças arménias assumiram o controlo de Karabakh.

O Azerbaijão defende que a solução do conflito com a Arménia envolve necessariamente a libertação dos territórios ocupados, uma exigência que tem sido apoiada por várias resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

A Arménia, por seu lado, apoia o direito à autodeterminação de Nagorno-Karabakh, defendendo a participação dos representantes do território separatista nas negociações para a resolução do conflito.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório